Estudos Reflexões Daladier Lima

A culpa que a liderança eclesiástica não quer

A culpa que a liderança eclesiástica não quer

Todo trabalho bem desenvolvido precisa de um objetivo. Ouço de trabalhos mal feitos, mal elaborados, com resultados negativos, especialmente os eclesiásticos. Isto não é bom, nem recomendável, muito menos bíblico. Temos rejeição a metas, mas são elas que norteiam os bons trabalhos do mundo secular (dele só queremos o bônus: dinheiro, poder, influência pessoal, reconhecimento, fama, nessa ordem). O problema é que na hipótese de não as alcançarmos os culpados serão identificados. E todos fogem disso.

Por exemplo, queremos ganhar 500 almas em um ano! Se uma igreja não alcançar tal objetivo, sobrarão culpados: Quem não orou? Quem não evangelizou? Quem não se esforçou o suficiente? Quase ninguém quer assumir a responsabilidade, em parte do fracasso ao menos. Mas há o outro lado da questão: uma meta permite uma análise. Se não há meta, não há reflexão. Fica mais fácil esconder as incongruências de uma liderança. Paulo disse: Prossigo para o alvo… (Filipenses 3:12)! Só quem já tentou usar um arco e uma flecha sabe o trabalho que dá. Preferimos a indolência e o comodismo, enquanto empurramos com a barriga.

DestaqueOutro problema é com a palavra escrita. Quando escrevemos damos testemunho público do que antes era tácito, implícito, todos sabiam de maneira subentendida. E podemos ser cobrados e cobrar. Não gostamos de cobranças, mas gostamos de cobrar! É tão confortável assistir de camarote às falhas alheias, já as nossas fazemos todo o possível para omiti-las ou minimizá-las. É um comportamento execrável, mas disseminado para onde quer que se olhe. Direitos são a especialidade da liderança evangélica moderna, os deveres ficam para os subordinados.

Jesus definiu este cenário da seguinte maneira: “Tudo o que quereis que os homens vos façam, fazei-o vós a eles (Mateus 7:12)”. Então, usando um exemplo micro, se um adolescente não aprende na sala da EBD, o culpado sou eu! Talvez, eu não tenha uma aula atrativa e deva ir atrás dos recursos para tal. Talvez, esteja falando rápido ou devagar demais. Enfim, não posso apenas jogar a responsabilidade sobre ele. Esta é a parte fácil da história. Você também ficou com a sensação de que alguma coisa está errada no cenário evangélico? Ou fui eu que perdi alguma aula!? Anotem aí: A organização, a metodologia, a definição de objetivos se aprimoram com a prática. São itens que causam repulsa à maioria de nossos líderes.

Conclusão: Não assumir culpas é um sintoma da crise de liderança eclesiástica do nosso tempo!

Sobre o autor | Website

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

2 Comentários

  1. Claudio disse:

    Pastor eles na grande maioria não assume❕ são muitos
    ditadores não aceitam uma opinião diferente das deles ❕

  2. Alcides disse:

    Concordo plenamente.