Reflexões Daladier Lima

A Igreja evangélica pode ensinar ética à política partidária?

A Igreja evangélica brasileira está a salvo da podridão ética da política brasileira? Pastores e líderes estão longe dos escaninhos do poder? Ou compactuam com tudo que está acontecendo em maior ou menor proporção? Uma igreja conivente com os desmandos pode ser voz ativa nas mudanças que precisamos? Quando pastores assentem com benesses ofertadas e envolvem a Igreja como contrapartida é uma postura ética e bíblica?

Prezados trinta leitores, é forçoso lembrar que o Brasil está envolto num nevoeiro de corrupção. A cada dia, a cada nova revelação, as coisas só complicam. É um verdadeiro espiral de podridão moral, arrastando consigo todos os brasileiros. Sim, este tornado em que se tornou nossa crise ética já seria complicado o suficiente se só arrastasse os envolvidos diretos, o problema é que os efeitos são sentidos na economia, nos investimentos públicos e nas esferas mais improváveis. Chega-se até mesmo a pensar que não há mais solução. O Judiciário, a instância mais respeitável de um país democrático no qual vigem os três Poderes se vê obrigado a provar que não é covarde ou comprado.

Uma breve divagação vai para aquele nobre irmão que acha que as coisas são assim mesmo, que é o fim do mundo, a volta de Jesus, etc. Há uma verdade latente nisso, porém, o que dizer das demais nações, especialmente, daquelas onde o nível de corrupção é mínimo? Jesus só está voltando para nós? Ou é falta de vergonha na cara e de coragem para fazer as mudanças necessárias para o bem de todos? Voltemos…

Até que entre tantas perguntas que baratinam o imaginário comum surge aquela fatal: E a Igreja evangélica brasileira? Está imune a tudo isso? Tem algum papel relevante de exemplo, como sal e luz? Este missivista não desejaria lançar tudo e todos num mesmo lugar comum. Entendo que há a Igreja espiritual, um conceito abstrato dentro da Palavra de Deus, que não se contamina e está caminhando célere para o Céu, e há a Igreja organizada, cujos templos, fachadas e dísticos traduzem uma balburdia sem fim. Afinal há milhares de igrejas evangélicas em termos denominacionais.

Já há, no meio das delações premiadas, igrejas sendo denunciadas como receptoras do dinheiro do Petrolão. Numa
investigação mais apurada não duvido que surgissem diversas outras. A verdade dos gabinetes de prefeitos, vereadores, deputados, governadores e senadores é que as igrejas evangélicas estão atoladas neste lamaçal até o pescoço. Praticamente todas. O Petrolão só está revelando uma das faces do problema. Vasculhe-se as folhas de pagamento de Câmaras e Prefeituras, as verbas de gabinete, os escaninhos do poder. E vamos encontrar pastores aos milhares negociando a boa fé das ovelhas, enquanto ganham um bom dinheiro extra.

As maneiras como se aproveitam variam, enumeremos algumas:

  1. Acomodação de pastores em cargos comissionados em prefeituras e câmaras de vereadores, assembleias legislativas e gabinetes de senadores;
  2. Acomodação nestes mesmos lugares de prepostos e parentes de pastores;
  3. Concessão de vantagens, como colocação a disposição de pessoas chave dentro das igrejas, como retribuição pelos votos;
  4. Concessão de vantagens diretas aos pastores, familiares, prepostos ou à agremiação religiosa.

É uma simbiose perfeita entre o poder temporal e a religião evangélica. Aquilo que Constantino fez com a Igreja Católica, por volta do ano 300, foi aperfeiçoado pela igreja evangélica brasileira. Lá o imperador, aqui vereadores, prefeitos, deputados e senadores se encarregam de lançar vantagens diante de lideranças despudoradas e avarentas. Não foi preciso sequer absorver as crenças. A igreja evangélica continua mística nos templos e devassa nos gabinetes. Para consumo interno as mentiras mais deslavadas, como aquela que “era preciso ter alguém para defender a Igreja”, ou “irmão vota em irmão”, ou ainda “Feliz é a nação cujo Deus é o Senhor”. Os amigos políticos da Igreja estão por toda parte e são cantados em verso e prosa. Enquanto as vantagens singram os cenários, quase imperceptíveis!

Qualquer pessoa que junte duas sílabas é capaz de compreender o fazer política diário de pastores e líderes maiores. Como eles lutam por seus apaniguados? Afastam eventuais discordantes do sistema político. Abrem seus templos e recebem suntuosamente os candidatos. Lutam para que tenham apoio. Atenuam arestas. Políticos são atendidos em gabinetes pastorais, em detrimento de outros pastores e membros. E mantém a rédea curta sobre quem deve se candidatar ou não. É uma preocupação constante. Já não é sobre almas e espaços. É sobre manutenção de privilégios! Se os escândalos se sucedem, mudam-se os personagens, mas a engrenagem é azeitada e vantajosa demais para se abrir mão completamente. Deus anda longe de muitos gabinetes pastorais!

Dias atrás soube de um caso de determinado líder que se candidatou a um cargo numa associação de pastores. Foi demovido de sua intenção por outro que receberia, pasmem!, R$ 1.000.000,00 para fazer sua campanha deslanchar. São lances inverossímeis. Um salário elevado para um parente, uma lista de nomes numa sinecura governamental, todos líderes da Igreja, para que recebam sem trabalhar. Cargos comissionados. Em troca os votos, muitos votos. Dia desses um candidato deu toda bancada de uma igreja. Veio a eleição, poucos votos, a lamentação. Candidatos dão carros de som, fardamentos de orgãos, material de construção de igrejas, dentaduras, óculos e o que represente algum valor. E a Igreja na berlinda. É assim em muitas cidades das Regiões Metropolitanas e Interior dos Estados. Prática recorrente.

Que moral tem um pastor para reclamar da corrupção se ele mesmo está envolvido? Pode não ser com os atores maiores, mas em algum nível tem um rabo de palha, que pode pegar fogo a qualquer momento, manchando sua biografia. Isso tudo é dramático porque a importância do pastor é referencial. Se a Igreja está assim, o que dizer dos partidos? Podemos cobrar que o PT não receba seus repasses via empreiteiras, se é esse dinheiro que vai financiar a casa ou o carro do pastor? Entra por fora e sai por fora. Beneficiando a todos! Já há quem nem pergunte a origem e ainda dá para espiritualizar: “Foi Deus quem mandou” como resultado daquela campanha de oração… Não é à toa que vez ou outra você pega implicados no Petrolão falando de pastores e igrejas. Eles sabem como a máquina de votos evangélica funciona. Ética é assunto para a membresia. Os líderes a mandam às favas.

A única nota destoante é que Deus está vendo. Sistemas eclesiásticos estão ruindo. Não acontece muito rápido porque Deus é longânimo. Mas a cobrança é certa. Tão certa como a derrocada petista. A esta altura, mesmo que não saia, nossa presidente é apenas um fantoche, com medo da própria sombra. Não foi para isso que Deus nos chamou. Que estejamos entre os 7.000 que não beijaram este Baal!

Sobre o autor | Website

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

6 Comentários

  1. Eduardo Juvenal disse:

    Eu sempre tive minha opinião formada neste sentido: Igreja e a Política Partidária se situam em pólos distintos. A política no Brasil é historicamente corrompida e corruptora, podre e maligna. Todavia, acredito ser necessário, termos homens comprometidos com Deus e sua Palavra, a família e os bons costumes. Mas, é lamentável a atitude de muitos líderes, que movidos por desejos obscuros e gananciosos, envolvem a Noiva do Cordeiro nesta podridão. As eleições estão aí, que Deus tenha misericórdia da Igreja.

  2. Jair Calixto de Sena disse:

    Parabéns pelo texto.
    O Senhor continue te abençoando!

  3. Excelente artigo pastor. A minha questão é: como nós, membros, devemos responder a questões que põe em cheque a nossa Fé, baseadas em fatos como estes citados no artigo, sendo que o problema está numa esfera inatingível por nós (membros, meros mortais)?
    A Paz do Senhor meu pastor!

  4. Daladier Lima disse:

    É complicado, prezado Davi Campos, a única alternativa que sobra é orar.

    Abração!

  5. Elnatan Silva de Araújo disse:

    “Eles afirmam que conhecem a Deus, mas por meio de suas atitudes o negam; e por isso são abomináveis, insubordinados e desqualificados para qualquer boa obra”.
    Tito 1.16
    … quantas vezes os debates na EBD tem sua temp eratura bem elevada por conta destas questões!

  6. Michael Evangelista disse:

    A Paz do Senhor, Daladier.

    Não posso deixar de comentar este excelente texto!!! Compartilho de tais reflexões, pois, na atualidade, a igreja deixa a desejar quando o assunto é política. Pastores se vendem facilmente em troca de benefícios, de materiais de construção e outros ´´presentinhos“. Sem falar em ´´patrocínios` recebidos para realizar eventos!! Dia desses um aspirante à Câmara Municipal deixou escapar em alto e bom som que, se ele não fosse eleito, poderia ocupar determinado órgão, que facilitaria repassar verbas, para realizar eventos ´´evangelísticos“. Confesso, meus ouvidos sangraram!! Falta-nos ética e até mesmo coerência, contudo, criticamos ferrenhamente a politicagem corrupta. Será que a igreja tem musculatura para isso? Estamos em ano eleitoral e em breve começará o show de horrores!! púlpitos serão transformados em palanques de campanhas políticas e cultos em comícios.
    Acredito que a igreja evangélica está distante de ensinar ética à nossa famigerada política tupiniquim, pois não conseguimos sanar nosso problemas internos!! E o que dizer da cômica nomeação de um pastor ficha suja para o conselho de ética da CGADB? Oremos, apenas…