Browse By

A síndrome do Sei fazer mas não quero!


Meu nome é Zezinho das Quantas. Estudei e concluí o ensino médio. Leio e escrevo razoavelmente. Tenho um bom conhecimento bíblico. Até me expresso bem ao microfone. Mas parei de ir à igreja. A razão é simples: o pastor vive implicando com um cargo pra mim! Pessoalmente, acho irrelevante. Por isso, vivo fugindo. Quando ele não está escalado, eu vou. Quando entra por uma porta, eu saio pela outra.

Não quero ter compromisso. Isso é coisa de quem não tem o que fazer. Até li na Bíblia que Deus só chama gente ocupado, mas não dá. Depois tem aquelas dificuldades de agradar a gregos e troianos. Aliás, gosto é de ver o que está errado na Igreja. Se não fizeram uma atividade adequada, se está faltando um ar condicionado, se um banco está quebrado. Aí eu chamo logo um diácono e desfio meu rosário. Quando não dá pra chamar ninguém, me junto a outros que pensam como eu e malho o pastor.

Percebo, por exemplo, aqueles diáconos incapazes de explicar uma passagem mais controversa. Não quero ser como um deles. E aqueles dirigentes que mal sabem cantar um hino? Os professores de EBD que não sabem explicar a lição? Estou olhando para eles e tendo a diminuir cada vez mais minhas idas à igreja.

O pastor não me esquece. Vez por outra, do púlpito, começa a falar sobre chamado. Que Deus chamou Abraão, Moisés, os discípulos. A palavra entra por um ouvido e sai pelo outro. Sabe o que ele veio dizer outro dia? Que Deus não tem um plano B. Ou seja, que ou eu e você vamos fazer a Obra de Deus ou não haverá quem a faça! É apelação, só pode. Aliás, obra de Deus é um termo vago. Posso estar no meu curso de teologia à distância, lendo e aprendendo. É muito melhor do que levar sol na cara.

Até saberia fazer algo na Igreja, mas não quero!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: