A teoria da Terra original – Sem forma e vazia?

Meus prezados 30 leitores a lição da EBD do próximo domingo irá tratar da ordem da criação divina. Fugindo um pouco da sequência proposta pelo nobre comentarista e adicionando um pouco de informações, queremos explanar de forma sintética uma teoria bem difundida entre os estudiosos da Bíblia.

Lawrence Olson, seguindo Finis Jennings Dake, em seu livro O Plano Divino Através dos Séculos, trouxe para nosso conhecimento a Teoria da Terra Original, cujo argumento principal é que o planeta no qual vivemos já passou por um cataclisma, antes da criação descrita em Gênesis 1:3 e versículos seguintes.

Vamos tentar sequenciar a proposta:

  1. Deus criou uma Terra original no princípio do Universo (Gênesis 1:1) e não a criou vazia (Isaías 45:18);
  2. Esta Terra era o local de habitação de Lúcifer (Ezequiel 28:13-16), no qual refletia a glória da criação de Deus;
  3. Neste tempo ele não havia caído ainda, era um anjo de luz;
  4. Porém, no seu coração surgiu o desejo de ser semelhante a Deus (Isaías 14:12-15)
  5. No seu intento, arregimentou a terça parte dos anjos (Apocalipse 12:7-9), que lutaram em alguma região do Universo, visto que no Céu não entra pecado;
  6. Não venceram e se tornaram o Diabo e seus demônios;
  7. A Terra que era o local de atuação de Lúcifer foi castigada se tornando sem forma e vazia;
  8. A partir daí é que temos uma Terra caótica na qual se desenrolam os fatos narrados em Gênesis 1:3 em diante.

É possível?

Sim. Perfeitamente. Há tantas possibilidades quanto planetas! O termo hebraico tohu wabohu, traduzido por “sem forma e vazia”, é utilizado para juízos divinos em outros contextos (Jeremias 4:23). Explicaria a idade da Terra e o fato de que a luz já existia, que o Sol e a Lua já haviam sido criados, sendo chamados a prover iluminação para o planeta, que o próprio continente estava apenas submerso.

Voltaremos ao assunto com mais tempo…

Sobre o autor | Website

Insira seu e-mail aqui e receba as atualizações do blog assim que lançadas!

100% livre de spam.

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

7 Comentários

  1. leandro de lima bezerra disse:

    A teoria do intervalo é demasiadamente interessante, mas não creio nela. Acho que esse tipo de interpretação não passa de mitologia criacional. Entre tantos pontos que poderiamos trazer contra essa visão, o mais forte deles é que os textos de Ezequiel 28 e Isaias 14, muito provavelmente, não se referem a Satanás. Essa interpretação, além de ser tardia, contraria as exigências do texto. Um grande abraço amigo Pr Daladier.

  2. Marcelo Edson disse:

    Teoria do Hiato? Estou fora. Sem as bases científicas e escriturísticas hebraicas até seria possível, mas com elas isso só passa de tentativa de harmonização com o evolucionismo. Para mim é lenda.

  3. Renata Pinheiro disse:

    Eu acredito, que haja um espaço de tempo entre o versiculo 1 e 2 do primeiro capitulo de Genesis. Deus não criaria algo sem forma e vazia, acredito que quando Lucifer e os anjos( 1/3), foram lançados do céu, houve esse choque com a terra. Qualquer meteoro com um tamanho siginificativo destruiria a terra. Então acredito que isso teve um grande impacto na terra. O versiculo 2 é resultado disso.

  4. O Livro de Gênesis 1.1,2 – “No princípio criou Deus os céus e a terra. E a terra era sem forma e vazia; e havia trevas sobre a face do abismo; e o Espírito de Deus se movia sobre a face das águas”.

    Existem algumas teorias a respeito desses versículos. Na verdade, o Livro de Gênesis, desde muitos séculos, se tornou alvo de diversos ataques dos ateus. Outros, mesmo crendo, especulam demais e complicam a verdade com “estórias” inventadas pela imaginação do homem.

    Certamente, estamos diante de uma grande e tremenda revelação sem qual nada poderíamos saber quanto à origem da criação e de toda a História subsequente.

    Escrevi alguns e-mails para um pastor, cientista, comprometido com Deus e com Sua Palavra, fazendo algumas perguntas. Seu nome é Janio Louback. Ele respondeu de modo simples como segue.

    A RESPEITO DO CAOS QUE HAVIA – ou a terra sem forma e vazia. Muitos dizem que esse caos representa o Juízo de Deus sobre Lúcifer, quando pecou, porque ele habitava na Terra. Ele disse:

    “A terra sem forma e vazia não representava um castigo de Deus, mas uma fase da criação. Ou seja, o barro informe tomando forma nas mãos do Criador para ser transformado em um vaso com forma. Qualquer um pode entender a dinâmica de um processo, pois qualquer coisa que pretendemos realizar , no início, não tem ainda a forma final. E, às vezes, não tem nem ainda forma.

    Por isso, acho que essa teoria e suas suposições não são muito firmes”.

    Alguns estudiosos negam a Doutrina das Dispensaçoes e outros afirmam

    a Teoria da Lacuna

    Sua resposta:

    “Ana

    Mais uma vez, quanto às dispensações, creio mesmo são doutrinas bíblicas e nada impede que classifiquemos esses períodos distintos como Dispensaçoes, pois realmente cada uma mostra um aspecto ou modo de relacionamento baseado em um certo princípio.

    Estou analisando entrevistas e comentários de vários pastores e igrejas. E posso constatar que realmente muitos não dão nenhum crédito à sequência dos acontecimentos nos quais acreditamos, fundamentados também na Ciência. Isso porque a verdadeira Ciência não pode contradizer a Bíblia.

    Na verdade, isso pode levar a uma crença de que a igreja deve conquistar o mundo antes de Jesus voltar, somente no juízo final. Eles querem fazer ao seu modo o cumprimento da profecia, pois não têm paciência para entender que não vamos conquistar o mundo, mas muitas igrejas serão conquistadas pelo mundo e se tornaram igrejas secularizadas por andar nesse terreno perigoso”.

    A TEORIA DA LACUNA

    Porém a teoria da lacuna, é muito especulativa, não estudei a fundo mas é apenas uma teoria para explicar certos lapsos entre a ciência e a Bíblia.

    O que que satanás e os demônios – seres espirituais, antes da queda – estariam fazendo nessa terra material? Por que eles iriam precisar dessa bola de terra para viver se são seres espirituais? Só depois da queda é que Deus resolveu criar o homem a sua imagem e semelhança?

    Abraços

    Janio

    Ainda – A Teoria da Lacuna

    “Ana

    Essa, como o próprio nome diz é apenas uma teoria.

    Pr. Claudionor foi muito feliz no seu último parágrafo com o qual eu concordo perfeitamente.

    Existem alguns pressupostos religiosos que trazem conflitos desnecessários com a ciência, e essa teoria da lacuna, acho, busca harmonizar as eras geológicas e a existência dos dinossauros, sem afetar certos pressupostos religiosos. Eu acho que existem formas mais interessantes de entender as coisas do que essa teoria apresenta.

    Mas tem uma outra grande lacuna e sobre a qual eu penso e acredito ser muito prejudicial.

    A grande lacuna, na minha visão, em entender e harmonizar o Livro de Gênesis, está na mente fechada das pessoas cheias de pressupostos desnecessários à verdade bíblica. A religião achava que a Terra era o centro do Universo, falhou gravemente e vergonhosamente por estabelecer um pressuposto desnecessário. Assim temos ainda muitos outros.

    Essa lacuna que tanto prejudica o entendimento, está no fato de as pessoas desconsiderarem que Deus criou antes da Terra o Universo e as leis da física e ainda, essas tais leis que experimentamos, hoje, são como “métodos” auxiliares no processo da criação, para estabelecer ordem, limites e harmonia. O Espírito de Deus tem o poder de trabalhar e mover essas leis para o seu propósito. Assim, a criação não está entregue à probabilidade, mas ao poder e propósito de Deus.

    Devemos lembrar que Gênesis tem o propósito de mostrar como Deus deu forma e vida à Terra e não como ele criou o Universo, o sistema solar, etc. Então, veja que no início da narrativa temos já uma Terra criada, em um estágio inicial, chamada de ” sem forma e vazia” .

    Assim, Gênesis descreve com precisão e perfeição científica todo o processo através do qual Deus organizou o Terra de “sem forma e vazia” para uma Terra perfeita e habitada com vida. Essa narrativa e desenvolvimento devem ser entendidos do ponto de vista de um observador – na superfície da Terra – vendo o seu desenrolar. Pois diz a Bíblia que o Espírito de Deus se movia sobre a face das águas, que era a superfície da Terra.

    A descrição inicia-se a partir desse ponto, onde a Terra esfriava e apresentava água na forma líquida e gasosa. Desse modo, cobria toda a face da Terra, impedindo a luz de atingir a superfície. Por isso, as estrelas, sol, e lua aparecem depois. Tanto que Deus depois fez separação entre as águas de baixo e as águas de cima as quais filtravam os raios solares e cósmicos, criando o ambiente pré-diluviano, que permitia saúde , longevidade, e estabilidade no clima da Terra. Portanto, não havia chuva ainda, apenas a terra era regada por uma vapor…

    Gostaria muito de saber como Deus criou todos os elementos do universo, maravilhosos, as estrelas, os buracos negros, os quasar, com os seus mistérios, mas Gênesis trata da nossa Terra. Nesse caso, vou ter que perguntar lá no céu sobre o resto, enquanto isso a ciência engatinha em sua tentativa para entender.

    Outro pressuposto ilógico é o de “obrigar” que os dias da criação sejam os dias que conhecemos agora. Isso cria um conflito desnecessário com a ciência, não precisamos disso para crer nas maravilhas da criação.

    Bom Ana, sei que no meio religioso é muito difícil falar sobre isso, sem ser tachado ou rotulado de “evolucionista” ou “incrédulo”. Digo isso porque muitos pensam equivocadamente que a ciência contradiz a Bíblia, porém para quem crê de verdade em Deus criador, ela apenas quando comprovada, mostra como Deus criou as coisas. Não falo das teorias tendenciosas que não podem ser comprovadas.

    Ainda acho que a questão “Bíblia – ciência ” é uma grande “tabu” dos dois lados. Infelizmente.

    Abraços Janio

    Quanto ao tempo – a duração do Dia.

    Ana

    Como eu disse se formos pensar desta forma, tudo bem, mas não é científico e cria conflito desnecessário. Como eu disse é um tabu, pois não entendemos que Deus criou o Universo e as leis físicas para que a criação tivesse harmonia e estabilidade, senão a vida seria como um desenho animado.

    Por causa desses tabus, perdemos credibilidade para discutir a questão “Deus e Ciência”. A Bíblia usa o termo “dias” como anos nas setenta semanas de Daniel. Como poderia haver manhã e tarde sem ainda o sol e as estrelas e a lua? Deus teria criado a Terra e depois o Universo – as estrela e o sol ao torno dela?

    Ana, não para em pé e é contrária à própria Bíblia. Por exemplo, diz que a Terra em baixo é revolvida pelo fogo, mostrando que ela esfriou por cima e ficou quente no seu interior, desde a criação.

    Querer que tudo isso tenha acontecido em vinte e quatro horas, é forçar demais. Acho que os crentes acham que se não for 24 horas estaremos achando que Deus demorou muito? O que é o tempo para Deus senão um agente do seu próprio poder e sabedoria?

    Abraços.

  5. Apenas um breve comentário. Desde que o dispensacionalismo foi introduzido e disseminado no Brasil pelas mãos, sobretudo, de Lawrence Olson, a teoria ds lacuna sempre predominou no meio assembleiano. Embora eu também não seja adepto dela, nem do dispensacionalismo. a posição do pastor Claudionor de Andrade torna-se “surpreendente” pela predominância da teoria citada.

  6. Comecei a ler e parei para rir um pouco!!! Rsrsrsrs

    O que ganharemos, qualquer um de nós, interpretando a bíblia?! Nada.

    Qualquer um que interpreta qualquer coisa sempre o faz com base no seu próprio conhecimento e qual de nós estava com DEUS no momento da criação para ter conhecimento sobre como qualquer coisa que foi feita?! Ninguém.

    Qual de nós poderia fazer qualquer acréscimo ou retirar qualquer coisa que está escrito na Bíblia com segurança?! Ninguém.

    Todo aquele que não se satisfaz com as revelações bíblicas está perdido, porque então não tem nada!

    Ou nós procuramos entender o que nos foi revelado, conforme está revelado, ou não temos nada!

    O conteúdo bíblico é para ser aprendido e não para ser interpretado. Do mesmo jeito que quando o seu professor te disse que 2+2=4 e você não questionou, anotou e passou a praticar, assim você deve aprender a Bíblia. E do mesmo jeito que 2+2=4 não é tudo, mas precisa memorizar a tabuada inteira, assim você deve ler toda a Bíblia e tê-la toda em mente, para que se torne capaz de analisar tudo o que foi dito e não frases isoladas.

    O conteúdo bíblico é para servir de acréscimo de conhecimento sobre DEUS, sobre a nossa vida e sobre quem somos realmente, de onde viemos e para onde vamos.

    O conteúdo bíblico vem nos dizer que não fomos criados para morrer, que há uma vida eterna para ser vivida, se tão somente nos enquadrarmos na vontade de DEUS.

    O que DEUS nos pede, que qualquer um que quer pode fazer, é simplesmente que observemos os mandamentos que Ele nos deu e que creiamos naquele que Ele nos enviou, o SENHOR JESUS CRISTO.

    Se uma pessoa pensa que viver o tempo de vida que tem aqui neste mundo lhe basta e não se importa com tudo o que viveu, aprendeu e conquistou, que a vida eterna não é importante, então o que vai ter é o tempo de vida neste mundo e não precisa se preocupar com o conteúdo da Bíblia.

    Mas se a pessoa quer a vida eterna, então leia a Bíblia e aprenda, não interprete, o que tem na Bíblia.

    Se o que está revelado na Bíblia não nos for suficiente, então ao que nos agarraremos? O que há de melhor do que a Bíblia?

  7. Bismarck Valentim disse:

    Li os comentários e como sempre a profundidade do conhecimento dos “teólogos e pastores evangélicos brasileiros” é muito superficial. Muita gente ignorante postando respostas sem fundamentos por puro achismo em relação aos assuntos aqui tratados. A Teoria do Caos e o Dispensacionalismo, precisam ser melhor investigados, para serem discutidos com a base que merecem. São assuntos profundos que precisam de análises e pareceres concretos com embasamento, e não de opiniões rasas e sem fundamento.