Reflexões Daladier Lima

Assuntos [não] tratados na reunião da UMADENE com a CGADB em Recife

Prezados 40 leitores, vocês souberam pelas redes sociais que houve uma reunião da UMADENE com a presidência da CGADB, nas dependências da IEADPE. Traduzo: A Assembleia de Deus em Recife/PE foi anfitriã de uma reunião com 14 dos 16 pastores presidentes da Região Nordeste. Foi um gesto louvável já que há uma rivalidade histórica dentro do Estado, mas a intenção não é debater sobre isso. Pra quem não sabia da reunião, aqui vão as fotos oficiais, pescadas do Facebook do Pr. José Wellington, colhidas pelo amigo Tiago Bertulino. Infelizmente, não existe home page oficial da UMADENE para acompanhar os eventos do Nordeste, nem a CGADB registra os seus. É uma lástima em tempos digitais, mas um dos grandes sintomas do descompasso das duas entidades com os assembleianos em geral:

Este slideshow necessita de JavaScript.

Obviamente, eu não estava lá. Aliás, a reunião não teve edital, não teve agenda divulgada, muito menos pauta conhecida. É uma coisa de presidente para presidente. Relembro aqui que foi assim a escolha do atual presidente da UMADENE. Todos os ministros que puderam comparecer a Aracaju/SE estavam presentes, mas o nome foi escolhido entre os presidentes e apresentado para aprovação simbólica dos demais. É um tipo específico de democracia oligárquica pouco estudado pelos especialistas. Da penúltima vez os ministros viajaram para a eleição, com o nome já posto. Mas, eu gostaria de aventar a pauta discutida, de modo fictício, supondo que alguns dos graves problemas que a AD enfrenta por aqui foram encarados.

Em primeiro lugar, o presidente pontuou a grave desavença entre as duas grandes convenções pernambucanas. Disse que tem recebido relatos até de não evangélicos que não entendem como duas igrejas de uma mesma denominação, filiadas à mesma CGADB, mantém uma inimizade tão forte a ponto de impedir a visita de pessoas e orgãos de uma igreja à outra. Falou dos diversos ministérios que existem no Sul/Sudeste do País e que convivem de maneira razoável. Num rasgo de sinceridade perguntou: “Há um céu verde e outro azul?” Todos abaixaram a cabeça pensativos. Mais adiante ponderou: “Como é que temos um secretário da Mesa Diretora da CGADB, que não pode cear aqui?” E concluiu: “Temos que acabar com essa divergência. Vocês poderiam mediar um conflito como os Ferraz e Novaes no interior de Pernambuco? Como ainda tem coragem de citar o Salmo 133?”. Aproveitou e falou das rivalidades existentes em outros Estados da região e que merecem a mesma crítica.

Aproveitando a oportunidade, em segundo lugar, perguntou: “O que está acontecendo com o surgimento de tantos novos ministérios em Pernambuco? Ouço falar de uns quinze apenas nos dois últimos anos!” Falou que o apoio de uma Convenção de outro Estado aos novos ministérios fere o estatuto da CGADB e anunciou punições para tal despautério. Pontuou que os presidentes presentes precisam repensar as ações e fazer um mea culpa, analisando as circunstâncias de cada divisão.

Em terceiro lugar, ponderou sobre a função da UMADENE na promoção do evangelismo em todo Nordeste. Iniciou projetando um slide da região, composta por nove Estados:

Falou sobre o peso estratégico da região, que é a única que possui uma união de ministros para interagir entre si. Aí complicou um pouco: “Não ouço falar muito de interação entre os senhores. Parece que só se conhecem em convescotes e EBOs. Precisamos compreender que a nossa luta se realiza todos os dias, além dos grandes eventos.” Instou a todos para fazer valer o lema da entidade. Dirigiu-se a um dos presentes e emendou: “Quantas vezes o senhor telefonou para seu congênere este ano?” A outro disse: “Por que o senhor não esteve no aniversário daquele ali?”. O clima ficou pesado.

Em quarto lugar, adotou uma postura mais pragmática trazendo gráficos desafiadores, como este aqui:

Falou dos grandes desafios da região que concentra quase um quarto da população brasileira. Citou como exemplo de dificuldades o Piauí, com apenas 9,7% da população evangélica. Não deixou de pontuar que, estando em Pernambuco, não deveriam os presentes se acomodar, pois apenas 2 em cada 10 pernambucanos é evangélico. Na Paraíba, 85 em cada 100 pessoas não são evangélicas. Concluiu: “Há um mar de pessoas a serem alcançadas!”. Disse que a CGADB está aberta a sugestões e apoiará todas as iniciativas que visem minorar o problema. “Não podemos repetir o fiasco da Copa!”, disse em alto e bom som!.

Em quinto lugar, engrenou críticas à atuação da UMADENE no sertão brasileiro. Comparou a região sertaneja à janela 10/40. Repreendeu os presidentes que enviam recursos para o Exterior, enquanto deixam à míngua obreiros e missionários na região. A dada altura frisou: “Desconfio de alguns eventos ditos de Missões. São só vitrines para ações incoerentes. Prezados, a Igreja é a Missão. E todo trabalho feito tanto aqui, quanto ali, é Missão! Parem de incutir esta falácia aos ouvidos dos que contribuem. Vocês estão mentindo!”. Citou diversos casos que chegam a CGADB de atrasos nas ajudas de custo e acentuou a necessidade de priorizar o obreiro como catalisador de ofertas e dízimos. Com ar matreiro disse: “Que estímulo tem o obreiro que vê atrasar seu próprio salário, enquanto vocês falam de tantos projetos megalomaníacos?”.

A UMADENE se comprometeu em apoiar aqueles que já estejam na região e enviar outros. Foi criado um fundo voltado para a evangelização do Sertão. A proporção escolhida é o dízimo do quantitativo que as próprias convenções alardeiam como a quantidade de membros que possuem versus o total de habitantes de seus estados. Ou seja, quem é maior ajuda mais. Uma comissão foi separada para estudar as necessidades e apresentar um relatório da arrecadação e aplicação dos recursos à CGADB.

Em sexto lugar, o presidente falou de questões financeiras: “Ouvi dizer de igrejas quebradas, em absoluto vermelho”. Fico pensando: “Como se quebra financeiramente um igreja? Com despesas inadequadas para as receitas!”. Falou de um recorte postado nas redes sociais sobre contas maquiadas e destacou a importância da lisura e da transparência delas. Sobrou pra todo mundo. Disse que a CGADB estará auditando as contas aleatoriamente, para evitar escândalos e desmandos. Enfatizou o cuidado que todos devem ter com a gestão do dinheiro, especialmente nestes tempos de crise.

Em sétimo lugar, falou de uma grande inovação que está sendo gestada na sede da entidade e que irá beneficiar a todos. Um grande projeto de interação tecnológica divulgando as iniciativas assembleianas online. Falou que o MaisAD (o projeto de ter uma operadora de telefone evangélica) estava sepultado, não vingou. Poucos aderiram. Que os irmãos estavam em massa nas redes sociais e que qualquer iniciativa fora delas, neste momento, significaria torrar dinheiro em vão.

A cereja do bolo veio ao final quando anunciou um ENEM teológico começando pelo Nordeste: “O resultado dessa avaliação será tabulado e posto à disposição dos senhores. A CGADB irá atuar nos bolsões de educação teológica. Faremos um mapeamento das necessidades e vamos atuar fortemente nelas”. Disse que todos os ministros deverão se submeter à tal avaliação. Um dos presentes perguntou: “Temos realmente necessidade disso?”. Ele respondeu, enfático: “Por que há tanta meninice em nossos cultos? Tantos chavões? Os senhores já puseram em prática o teste de comparecer às doutrinas de suas congregações de surpresa e se postar no meio do povo, somente para ouvir o que seus obreiros estão falando?”. Falou que tal ausência de conteúdo teológico tem feito a alegria das seitas e heresias.

Finalizou dizendo que em janeiro fará um balanço das ações propostas na reunião. E, se não houver avanço, proporá a extinção da UMADENE por absoluta falta de propósito. Todos ficaram surpresos porque nem se falou nas eleições do ano que vem.

E assim terminou uma excelente e produtiva reunião.

Sobre o autor | Website

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

21 Comentários

  1. Claudio silva disse:

    A Paz do senhor meu pastor! Isso dito meu nobre servo de cristo em palavras sábias de regozijo era o desejo do eterno salvador! tudo isso dito pelo senhor era para realmente ter acontecido porém sabemos que não foi! mas um mero desejo revestido de sonhos de muitos crentes! mas o final vai ensina-los! parabéns pela bela exposição que soa como uma linda filosofia para nossos ouvidos!

  2. Inicialmente fiquei empolgado. Mas depois percebi o #sqn. Que pena!

  3. Bs disse:

    Realmente! Houve uma transparência e objetividade na reunião,será que esses homens que pregam,sobre unidade,mansidão,respeito e amor,irão adotar isso ? Será uma vergonha,os presidentes das convenções Pernambucanas não se unirem,ter pelo menos transparência em meio a sociedade e fazer valer o que ouviram,é um absurdo tenho parentes em Recife em uma congregação na mesma rua da congregação aonde sou o pastor de Abreu e Lima,e eles não podem vim e se eu for, não sou bem recebido,uma vergonha!!!! Aonde isso irá acabar!!! Acredito que no céu não entrará nenhum!!! A primeiramente dos presidentes, obreiros sendo injuriados,maltratados,insatisfeitos,salários atrasados,uma falta de compromisso com a família do obreiro enviado para o sertão,infelizmente.

  4. alexandre yoshimi tokiwa disse:

    Mais uma vez grato ao amado Pr.Daladier por nos ajudar em mais essas ricas informações….acredito que a reunião foi proveitosa e como vi na matéria em alguns momentos tensa,se 40% desses assuntos sairem do papel seremos mais felizes.

  5. George Luna disse:

    Louvável a atuação do Pr. José Wellington.
    Que as relações entre ministérios e denominações sejam revistas para que o reino de Deus seja “estabelecido” em nossa nação!
    Já temos problemas sociais demais para ter que conviver com mais um dentro de nosaas “instituições”.
    Todos somos servos de Deus e temos o dever de honrar e reconhecer a chamada dos líderes que Deus constituiu na sua infinita bondade.

  6. Será que esta montanha de desencontros somente se tornou visível pela menor arrecadação dos dízimos e ofertas? Sei não!

  7. Daladier Lima disse:

    Prezado, INFELIZMENTE, é um texto ficcional. Logo utópico. O título é “Assuntos [não] tratados…”

    Abração!

  8. Daladier Lima disse:

    Prezado, INFELIZMENTE, é um texto ficcional. Logo utópico. O título é “Assuntos [não] tratados…”

    Abração!

  9. André Rêgo disse:

    Meu amigo é bem verdade isso, sou assrmbleoano desde criança e na época do Pastor Leôncio e do Pastor Isaac não existia isso, eu fiz essa pergunta a CGADB um dia para o conselho de ética e moral e mim mandaram orar, ora será que só orando sem atitude se resolve isso? Esse presidente da Umadene é um camarada de coragem, esse eu vou dar nota 10.

  10. Daladier Lima disse:

    Prezado, INFELIZMENTE, é um texto ficcional. Logo utópico. O título é “Assuntos [não] tratados…”

    Abração!

  11. Mario Sérgio de Santana disse:

    Excelente reflexão amigo! Creio ser esse post um retrato da triste realidade das ADs não só nessa região, mas em muitas outras. Triste ver alguns ministérios alardear investimentos em missões no exterior, quando na sua própria região não há igrejas nem missionários para atender às necessidades do povo. Falta sintonia dos nossos líderes com a realidade material e espiritual da obra. Está como a nossa política brasileira. Acordos na cúpula, sem qualquer preocupação com os de baixo.

    Aliás, sempre digo: democracia em nosso meio é só quando envolve contribuição. Nesse ponto todos são chamados a ajudar, renunciar e contribuir. Mas em outras questões nada de consulta ao povo, sendo que com os recursos dos crentes se realizam projetos em nada voltados para a evangelização. Cada um preocupado com “seu” reino e não com o Reino de Deus.

    Abraço!

  12. Eliel Ferreira disse:

    …aí nós acordamos.

  13. Lucas Martins. disse:

    Caro partir Daladier. Demorou muito pra chegar a esta posição a CGADB. Mais ante tarde do que nunca. Oremos para que isso aconteça. Por mim acabava com todas e fortalecia uma só.

  14. Ana Rejane disse:

    Quem dera que tivesse sido realmente desse jeito!!!

  15. Josenberg disse:

    Aqui no sudeste temos muitas igrejas Assembléianas não convencionadas e percebo que os membros dessas igrejas não estão nem ai. Porque para que serve mesmo as convenções?.

  16. GILVAN TRINDADE disse:

    Quem dera que um dia isso aconteça … em Oração ja que não posso agir

  17. Adejarlan Ramos disse:

    Nos ultimos anos a UMADENE se tornou apenas trampolim para ocupar cargos na CGADB!

  18. Eduardo Juvenal disse:

    Acredito que algumas pessoas não prestaram devida atenção a publicação; São assuntos Não tratados, é uma ficção, uma utopia. E algumas pessoas recortam partes do texto e publicam nas redes sociais como algo verdadeiro. Isso é preocupante.
    Imagino o que fazem com os textos bíblicos. Gostei muito do texto, mostrou criatividade e visão das necessidades da
    Igreja.Parabéns!!!

  19. DINAMERCIO LIMA disse:

    Um dia quem sabe, conduziremos a noiva do cordeiro com mais seriedade e respeito. At 20.28

  20. Emanoel lira disse:

    Kkkk reflexão até parece adivinhação. Seja mas claro e corajoso sim ou não? VC ta sabendo muito. Fica na paz modo sábio de contar segredos.

  21. Pb. Ademir Bomfim da Silva disse:

    Homem de Deus o meu Pr. José Carlos de Lima. Parabéns por mais esta conquista (Presidente da UMADENE)A Assembleia de Deus na Paraíba está bem representada!