Notícias Reflexões Daladier Lima

CGADB descumpre a própria Confissão de Fé que aprovou

Prezados 180 leitores, como vão? Vocês sabem que ontem foi anunciada com todas as pompas a aprovação por unanimidade da Confissão de Fé assembleiana. É um documento alvissareiro. Busca suprir determinadas lacunas e unificar pontos críticos da teologia oficial da denominação. Embora tenha minhas reservas também saúdo a iniciativa. Sigamos adiante… que essa é do balacobaco!

Discuti, inclusive, ontem, com um dos membros da Comissão que a elaborou mostrando como seria difícil sua implementação em todo o País. A AD é mais ou menos como o Brasil, não faltam leis, o problema é cumprir. Temos a omissão de alguns líderes, a indisposição para atacar eventos com excessos, porque rendem ofertas e dízimos. Junte-se a isto eventuais modismos que grassam nossos arraiais e outras pragas que buscam espaço entre nós e não se implementa algo como essa Confissão daqui há dez anos. Isto com muito boa vontade. Eu quero que naufrague a iniciativa? De forma alguma. Por mim teria sido implementada há anos. Mas, simplesmente, não funciona assim!

Hoje, um outro membro da Comissão, me envia a página 84 daquele documento (grifos nossos):

Confissão de Fé - Página 84

Página 84 – Confissão de Fé Assembleiana

Quem está acompanhando o noticiário já entendeu a contradição que tento evidenciar. Cerca de 13 decisões judiciais, ainda que em caráter liminar, foram solenemente ignoradas pela entidade maior assembleiana. A mais importante delas determinava o cancelamento das eleições e da divulgação dos resultados, que foram realizadas e seus resultados divulgados mesmo após a notificação da juíza plantonista do STJ. Inclusive, na decisão de ontem o juízo fez questão de frisar o absurdo.

Note o que está escrito: Reconhecemos a legitimidade das autoridades constituídas… Como reconhecem se um interventor, judicialmente nomeado para supervisionar o pleito, não teve acesso ao QG das eleições? Complicado de entender. Aliás, aproveitamos aqui para dizer que esta é a razão pela qual a CGADB está sob intervenção judicial, embora o mandato de seu presidente tenha se estendido.

É disso que falava com meu amigo. Não se mudam as pessoas por decreto. Não se passaram nem 24h para que confirmássemos nossas suspeitas.

Sobre o autor | Website

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

3 Comentários

  1. Húmus disse:

    Quando se cria ovelha(literalmente) se tem a figura do pastor(humano sabe tudo) e o predador(quase sempre lobo) e os ovinos(não sabem de nada) Então os pastor livra a ovelha do lobo não para que viva feliz para sempre, pois o pastor é que decide como quer tosquia-la ,abatê-la ou COMERCIALIZÁ-LA. kkk Bem já dizia Ezequiel 34 são ovelhas mas são homens…

  2. Lázaro souza disse:

    Querido Pastor da Assembleia de Deus. Quero te desejar uma noite reparadora e que as bençãos de Deus estejam com você.
    Acabamos de voltar de São Paulo onde aconteceu a AGO da Convenção Geral. Fiquei muito triste pelo desrespeito que aconteceu nesta AGO. Embora a presença de pastores foi mínima, muitas vezes deixando o local onde aconteceu a AGO quase vazio, pastores de todos os estados Brasileiros estavam presentes e pagaram para participar de uma AGO que foi cancelada sem razão ou explicação. Soma-se a isto talvez o pior episódio já visto na história da Igreja Assembleia de Deus no Brasil. O Deputado e Pr Paulo Freire Bezerra da Costa, Filho do Atual presidente da CGADB e irmão de um dos candidatos a presidente o Pr Wellington Junior, xingou o plenario, e os pastores da Assembleia de Deus no Brasil chamando todos de “Canalhas”.
    Repúdio este insulto grosseiro e lamento a fala e o pensamento que eles tem sobre a nossa igreja e os pastores da Assembleia de Deus em todo o Brasil.
    Quero dizer a todos os pastores do Brasil que você são guerreiros, homens de Deus, Abençoados, ungidos e um tesouro nas mãos de Deus. Vamos dizer aos inimigos da Assembleia de Deus que respeitem a Nossa igreja.

  3. Elizeu Barros disse:

    “Tendo como limite tal submissão os preceitos bíblicos, de sorte que, em caso de conflito entre as normas emanadas pelo Estado e a Bíblia, está prevalece sobre aquelas” – será este o entendimento? Rsrsrsrs