Escândalo: a triste realidade da Igreja brasileira!

A palavra escândalo, no original grego, ocorre 15 vezes:

Lê-se: scandalon

Lê-se: skandalon

Vejamos suas ocorrências:

Skandalon - Ocorrências

Skandalon – Ocorrências

Junta-se a tais ocorrências o verbo skandalizô, que ocorre 29 vezes no NT.

Mas o que era o escândalo? Originalmente, a palavra designava o suporte de uma armadilha, no qual um animal tropeçava e ficava preso. Curiosamente, é uma palavra cujo sentido figurado não se encontra fora da Bíblia[1].

Armadilha

Armadilha

Há três tipos básicos de acepções da palavra escândalo no texto bíblico:

1) Quando alguém induz outrem a pecar. O exemplo mais acabado está em Apocalipse 2:14, que fala de Balaque que armava ciladas diante dos filhos de Deus. É uma referência ao episódio de Números 22-24. O rei moabita ensinado pelo profeta Balaão pôs mulheres moabitas diante do povo de Deus, o que trouxe pecado sexual e castigo;

2) Quando alguém escandaliza e a repercussão deste ato traz comentários jocosos e destruição espiritual para a Igreja. Romanos 16:17 equipara a divisão ao escândalo. Lembremos que, muitas vezes, somente um animal bate no suporte e todos os outros são prejudicados ficando presos;

3) Cristo, o escândalo para os judeus. Eles não compreenderam como o Messias poderia ser tão diferente de suas premissas (I Coríntios 1:23).

Como podemos nos tornar escândalo para nossos irmãos?

Há várias possibilidades. A mais comum é quando por nossa postura, traje, palavras fazemos com que o outro peque. Por vezes, somos instrumentos involuntários de tal atitude. O Diabo se aproveita da oportunidade e torna nosso proceder um laço para os demais. O que dizer, por exemplo, da irmã cujo decote influi num irmão carnal? Ou do líder que se locupletou da oferta? Ou ainda do irmão que fala mal de seu pastor diante de pessoas não evangélicas ou divulga problemas da Igreja a qualquer um?

Outra possibilidade é que nossa ortopraxia (prática correta) não condiga com nossa ortodoxia (doutrina correta). Quando vivemos o que não pregamos, evidencia-se outro problema: a hipocrisia. O hipócrita era um ator grego, que representava papéis no teatro. Quantos hipócritas não há no Brasil, não é mesmo? Digo sempre que se cumpríssemos 10% do que pregamos, as coisas teriam outro rumo totalmente diferente.

Infelizmente, não são poucos os escândalos no Brasil trazendo um saldo negativo para a Igreja do Senhor, inibindo seu crescimento e amadurecimento. Escândalos pastorais, da liderança, na membresia, eventos cotidianos mancham nossa trajetória.

Que Deus tenha misericórdia de nós. E que alertados possamos mudar nossas posturas a este respeito. Jesus disse que os escândalos são inevitáveis (Mateus 18:7; Lucas 17:1), mas ai daqueles que os trazem à luz!

[1]Coenen, Lothar, Dicionário Internacional de Teologia do Novo Testamento, Edições Vida Nova

 

Sobre o autor | Website

Insira seu e-mail aqui e receba as atualizações do blog assim que lançadas!

100% livre de spam.

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

1 Comentário

  1. Marcelo José disse:

    A síntese do artigo contrasta radicalmente com a profundidade da abordagem. Ou seja, mesmo sendo breve, mantem-se sua abrangência espiritual e prática.
    Deus continue iluminando sua mente para que, com temor e tremor, exponha a Palavra que dá vida.