Reflexões Daladier Lima

Mais mulheres ouvem o chamado!

Enquanto por aqui a AD brasileira discute a quadratura do círculo, lá na AD americana as mulheres são cada vez mais proeminentes no pastorado. Vem comigo!

Mais mulheres ouvem o chamado!

Um número recorde de ministras credenciadas foi alcançado nas Assembleias de Deus dos EUA, 9.142 de acordo com as estatísticas mais recentes. Isso representa um aumento de apenas 6.502 há uma década. A proporção de mulheres entre os pastores da denominação também está em alta de todos os tempos, 24,3%, um aumento de 19,2% em relação há 10 anos atrás.

Em 2016, o ganho líquido das mulheres ministros na Assembly of God (445) aumentou em mais de quatro vezes a taxa de homens. No entanto, Crystal Martin, a nova diretora da Rede de Ministros das Mulheres da AG, quer garantir que as mulheres, uma vez credenciadas, encontrem seu próprio papel ministerial.

“Como podemos, como um movimento, não apenas ordenar mulheres, mas ajudar significativamente a colocá-las em seu chamado?”, pergunta Martin. “Por exemplo, em sites da igreja você não vê muitos rostos femininos em papéis pastorais. Como podemos ajudá-los a passar de seu chamado para a liderança ministerial? ”

O número de pastoras na denominação nos EUA alcançou um recorde de 569, mas isso representa um aumento de apenas 94 em relação a 2008 e apenas 260 de 30 anos atrás. Existem mais de 10.500 pastores do sexo masculino na AG.

“Quando reconhecemos que a colheita é abundante e os trabalhadores são poucos, percebemos que existem muitas plataformas para homens e mulheres ensinar e pregar juntos”, diz Martin. “As mulheres têm sido boas em encontrar maneiras de entrar em sua chamada, mas há espaço para o crescimento”.

A Rede para Mulheres Ministras é um sistema de apoio para as mulheres que estão em liderança ministerial e as que estão no processo de busca de credenciais. Um dos objetivos a longo prazo de Martin é identificar um líder em cada distrito e rede do ministério, que possa ajudar a construir a comunidade e orientar as mulheres – que enfrentam desafios e responsabilidades ministeriais únicos.

Martin também espera que a Rede seja capaz de realizar conferências e webinars para orientar o clero feminino.

“As mulheres são freqüentemente treinadas como especialistas”, diz Martin. “Às vezes, elas não tiveram oportunidade de aprender habilidades de ministério amplas que os homens esperam saber”.

Especificamente, a educação pode implicar instruir as mulheres como preparar um sermão, realizar uma cerimônia de casamento, conduzir um serviço de comunhão e liderar um conselho da igreja.

Martin, de 43 anos, esteve envolvida no ministério por duas décadas, a maioria com os Ministérios do Campus Chi Alpha. Seus novos deveres serão adicionados ao seu portfólio atual como diretora de missões multiculturais Chi Alpha. Seu marido, E. Scott Martin, é diretor sênior da Chi Alpha, um departamento de Missões dos EUA.

A Rede de Mulheres Ministros, originalmente conhecida como Task Force for Women in Ministry, formada em 1999. Beth Grant atuou como primeiro presidente, por 11 anos. Jodi Detrick e Judy Rachels também lideraram o grupo antes de Martin.

Grant, que é co-diretor do Project Rescue, apoia firmemente Martin:

“Crystal é uma líder visionária apaixonada com um histórico comprovado de mentoria de mulheres jovens para ministério em Chi Alpha”, diz Grant, que é membro do Presbitério Executivo da AG. “Ela traz grandes forças como construtor de equipe e voz profética para esse tempo na missão de Deus. Seu coração está em ajudar a equipar, mobilizar e liberar uma geração de jovens ministras enquanto reconhece as forças dadas por Deus de cada geração”.

Martin não está defendendo que as mulheres precisam avançar apenas por causa de seu gênero.

“Não precisamos de mais mulheres para a causa da igualdade.”, diz Martin. “Mas a Igreja de Jesus Cristo será melhor com as mulheres no ministério”.

Martin agradece que as Assembly of God, ao contrário de outras denominações, considerem as mulheres como parceiros ministeriais completos.

“Um dos meus maiores privilégios é trabalhar dentro de um Movimento que acredita nas mulheres”, diz Martin. “Na verdade, não há posições nesta denominação que estejam fora dos limites para as mulheres”.

Traduzido via Google Tradutor, com algumas adaptações

Fonte: https://penews.org/news/more-women-heed-calling, via twitter do Pr. Geremias do Couto

Sobre o autor | Website

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

6 Comentários

  1. Roberto Rocha disse:

    Socorro Jesus, volta logo! O que eu acho mais engraçado é o Martin falando que faz parte de um ministério que acredita nas mulheres! Agora pergunto eu, desde quando as Assembleias de Deus deixou de acreditar no trabalho das mulheres? só acredita se ordenar à pastora? Coisa que não exite biblicamente! A minha igreja,acredita demais nas irmãs prova disto é que tem irmãs evangelizando,visitando,ensinando nas EBD,à frente de grupos de louvores,participando na assistência social… afinal a mulher foi criada para ser uma ajudadora! As igreja mortas dos EUA, não servem de referências para quem quer servi a Deus de verdade!

  2. Daladier Lima disse:

    “irmãs evangelizando,visitando,ensinando nas EBD,à frente de grupos de louvores,participando na assistência social” onde isso foi liberado ou sequer ordenado? Esta é a questão principal que levanto desde sempre. Como é conveniente a nós… Outra coisa: Martin é uma mulher!

  3. Roberto Rocha disse:

    Desculpe, é que a Martin fala como se fosse um pastor,mas é uma “pastora”,rsrsr….. você pergunta onde isto foi liberado? Em todas as ADS por onde passei as amadas irmãs são liberadas e ordenadas pelos pastores locais, para cumprirem esta missão, e sem precisar de serem ordenadas à pastoras! Agora amado irmão, se preocupa não, que a CADB do Samuel Câmara, chegou com força total e ordem não sei de quem( e sabendo),para colocar essa heresia em prática!

  4. Daladier Lima disse:

    Eu queria que a heresia que a CADb ou a CGADB colocasse em prática fosse essa… Ah! Como eu queria. Quem liberou as irmãs para visitar enfermos e dirigir oração foi a conveniência.

  5. Celita Louback Welsch disse:

    Jesus, há mais de dois mil anos atrás procurou uma samaritana e além de savá-la, a transformou na primeira evangelista e testemunha audaciosa ! Foi essa mulher , não judia, que Deus revelou o Messias.Ele não a discriminou mas a chamou para beber da Água da Vida ! Foi nosso Senhor que deu à mulher dignidade. As mulheres eram propriedade de seus maridos e tinham liberdade restrita. Elas poderiam ser punidas com o apedrejamento e serem castigadas de várias maneiras, mas Jesus não seguiu o padrão da época, mas as ensinou, as preparou e continua fazendo até hoje, com unção, na graça e no conhecimento divino e na autoridade do alto. As mulheres na época de Jesus eram rebaixadas e proibidas de tudo, mas foram várias mulheres que encantaram o coração de Jesus com a fé, a doação de uma dracma perdida representa a entrega de tudo que temos, sem limites. O perfume valioso num não menos valioso jarro ungiram o Senhor e Ele ficou também maravilhado! Vamos, como mulheres, continuar derramando nosso perfume, sendo humildes e proclamar o evangelho sem medo mas com ousadia. Vamos ensinar e compartilhar esse mais alto amor que ninguém fez nada por merecer, mas nos foi dado, a todos, e custou um alto preço: o sangue de Jesus!

  6. Williane Costa disse:

    Que possamos continuar servindo a Jesus com toda dedicação, independente de posição ministerial.