Qual o nosso lugar na história?

Este humilde aprendiz já viu um pouco de filmes reais. Aqueles fatos que ocorrem na esquina, nas ruas, nos púlpitos. Tudo é história. Há os atores, protagonistas, coadjuvantes. Todos são importantes. Desde aqueles personagens mais inverossímeis, até os que se acham e depois perdem todo balanço ao longo da narrativa. Precisamos ter consciência de que somos parte da história, mesmo quando ainda não compreendemos nosso papel, nosso script. A diferença fundamental entre a gravação de uma ficção e o que acontece na vida real não são os personagens, nem os efeitos, nem o roteiro, é que a história não se repete.

Olho para Paulo e o vejo em diversas situações aproveitando as oportunidades. Seja quando se separou de Barnabé, e seguiu um caminho oposto com Silas, quando expulsou o demônio da mulher que o atormentava com elogios, quando confrontou Pedro a respeito da salvação dos gentios. Paulo manteve a porta da oportunidade aberta, para que não pudesse perder nenhum relance.

Um pai, vez ou outra, precisa dar um grito em casa. O vaqueiro na boiada. Todos, enfim, podem perder aquele momento definitivo, a menos que tomem a decisão correta. Como será nosso lugar na história? Não aquela história oficial, cheia de omissões, socorrendo as contingências, mas aquela correta e da qual todos sabem? Como você se referiria a si mesmo, confrontado com sua vida? Você aproveitou as oportunidades ou foi omisso? Você tomou as decisões possíveis e necessárias ou se acovardou?

Conheci gente que começou muito bem, altaneiro, vigoroso, apegado. O tempo se encarrega de talhar os fracos e eles foram ficando pelo caminho. Dúvidas existenciais, falta de compromisso, falta de reconhecimento. São tantos os motivos que desfiguram nossos quadros… Um ou outro aparece novamente na narrativa. A maioria fica na memória. Tenhamos cuidado. Devemos ir até o fim (Daniel 12:13). É lá que a história termina.

Sobre o autor | Website

Insira seu e-mail aqui e receba as atualizações do blog assim que lançadas!

100% livre de spam.

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

2 Comentários

  1. Agüero disse:

    Olá. Realmente o evangelismo num todo, é um assunto delicado, apesar de ser a PRINCIPAL MISSÃO DA IGREJA. Foi o que nosso Senhor Jesus fez e nos deixou a comissão de continuar esta grande missão., talvez seja por isso que Ele disse que faríamos “obras maiores”, por causa da GRANDE SEARA.
    “Eis-me aqui. Envia-me a mim”… Dito pelo profeta Isaias é pouco citado nas igrejas., as palavras corriqueiras e preferidas das atuais igrejas são: PROSPERIDADE, VITÓRIA, BENÇÃO, RESTITUIÇÃO, SUCESSO… Igrejas priorizando a Teologia da Prosperidade, ignoram Mateus 6, principalmente o vers. 33: “Buscai em primeiro lugar o Reino de Deus e a Sua justiça, e as demais coisas lhe serão acrescentadas”.
    O mandamento principal de Jesus aos seus discípulos (e aos que hão de vir/nós) foi: “IDE E PREGAI O EVANGELHO A TODAS AS PESSOAS”.
    Certamente se Jesus estivesse hoje na terra, iría quebrar tudo nas igrejas, chicotar os mercadores de PALAVRA e das MÚSICAS GOSPEL. Como fez em sua época.
    Essa é a realidade da igreja atual., infelizmente SÃO POUCOS os verdadeiros DISCÍPULOS DE CRISTO.
    Mas não nos enganemos., se os chamados discípulos não clamarem, AS PEDRAS VÃO CLAMAR. Deus é Deus e sempre sua paciência teve limite.

  2. Muitobom gostaria de receber sempre essas pastagens no meu email.