O que acho da Assembleia de Deus ter uma operadora de celular

Meus prezados 30 leitores, diversos portais noticiosos divulgaram a informação, já conhecida entre nós, que a operadora Vivo irá, em parceria com a Assembleia de Deus, fazer funcionar uma nova operadora de celular. Pelas informações será direcionada ao público evangélico, visando alcançar cerca de 18 milhões de pessoas. Não duvido que seja verdade, ora a CGADB coleta assinaturas para a criação de um partido!?

Vamos pensar sobre o assunto?

  1. Desde há muito nosso povo é massa de manobra nas mãos de líderes inescrupulosos. Que o digam as nebulosas indicações políticas. Não duvido que com o lançamento haverá uma onda nas igrejas e depois o povão ficará à mercê dos péssimos serviços;
  2. A criação será inócua. O máximo que pode acontecer é haver uma pressão dos líderes pela aquisição do produto tendo em vista algum benefício financeiro para a Igreja. O produto já está bem massificado, de tal modo que há mais celulares que habitantes no Brasil. Outra iniciativa desta natureza foi descontinuada. Era um cartão de crédito para pastores. Imagino que houve baixa adesão, sendo oferecido poucos diferenciais;
  3. Como já expressado por outros amigos, a telefonia é hoje o ramo que mais agrega massa negativa, com constantes reclamações nos orgãos de proteção ao consumidor. Então, só iremos atrair mais críticas e problemas;
  4. O que a Igreja poderia ganhar financeiramente com isso? Não sei. Acho que o retorno é pouco para a estrutura de apoio que precisará ser montada. Não compensa em tempos de crise e massificação consolidada do produto. É chover no molhado;
  5. Que tal pensarmos nos objetivos básicos da Igreja? Eles estão sendo atendidos pela Assembleia de Deus, a ponto de podermos nos abstrair de nossas necessidades e trabalhar com telefonia? É óbvio que não. É o tipo de decisão que gera muita luz e pouco calor.

Qualquer que seja a convenção (CONAMAD, CGADB, ainda não está muito claro) que esteja pensando no assunto está com falta do que fazer!

Atenção! O Márcio Cruz informa que é a CGADB que encabeça o projeto. A Convenção não tem mais o que fazer!?

Site do MaisAD

Leia aqui sobre a criação do partido assembleiano, aqui para ler sobre o cartão da Assembleia de Deus e aqui onde desde janeiro a informação foi ventilada.

Sobre o autor | Website

Insira seu e-mail aqui e receba as atualizações do blog assim que lançadas!

100% livre de spam.

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

5 Comentários

  1. Márcio da Cruz disse:

    Li no MP de Abril/2105 que a CGADB vai lançar. Já está tudo certo. A Anatel autorizou a Alô Serviços de Telefonia Móvel a operar. e ela “é a responsável pelo projeto, que contará com conteúdo exclusivo produzido totalmente pela CPAD”.

  2. O projeto foi lançado nesta quinta-feira na Escola Bíblica do Belenzinho e noticiado nos principais jornais do país, como Folha de São Paulo, Valor Econômico etc. Falta do que fazer ou perda da visão?

  3. claudio andrade disse:

    visa a recardar mais dinheiro! e as brigas entre as convenções só piorando! Eduardo Cunha manda um abraço

  4. claudio andrade disse:

    Silas Malafaia fez foi certo cair fora dessa já falída CGADB! acorda comadalpe!

  5. Miqueas Cipriano disse:

    Precisamos de um tratamento e de serviços que atestem nossa cidadania, não somos desse mundo, porém, tal fato, não nos qualifica como aliens. Em havendo uma boa prestação de serviços para o cidadão, nós estaremos sendo beneficiados. Sejamos francos, a CGADB a cada idéia que se verbaliza, acaba se assemelhando a um grande elefante branco perdido em plena savana urbana brasileira. Só help me God!