EBD Família Reflexões Daladier Lima

O que crianças estão aprendendo na classe infantil da EBD?

Estamos tão preocupados em impedir o avanço da esquerda, mas o que estamos fazendo com o ensino da EBD para nossas crianças? Está havendo investimento efetivo em boas salas, bons conteúdos, boas professoras? Vem comigo!

O que crianças estão aprendendo na classe infantil da EBD?

Prezados leitores, aqui vai mais uma reflexão sobre a importância da EBD, especialmente as classes voltadas para o ensino bíblico a crianças. Já discorremos aqui sobre a importância de falar de teologia (sim esse bicho papão para muitos adultos) para crianças, adolescentes e jovens em nossos eventos. Agora focaremos novamente na EBD.

Como a maioria de nós sabe, via de regra, colocamos uma mocinha jeitosa com as classes infantis. Ela deve ser gentil, gritar mais alto que todos os pequeninos e saber preparar algumas artes. Pouco exigimos no que diz respeito ao conteúdo bíblico. Eu sou adepto de que fizéssemos uma avaliação de todos os professores de EBD, não para reprová-los, mas para identificar onde estariam as necessidades para nelas investir. E supri-las! Da melhor forma possível.

Porém, a realidade é que as irmãs se viram nos 30! Elas, do próprio bolso, compram o material didático do próprio bolso, compram a matéria-prima de seus trabalhos artesanais, financiam cursos de aprimoramento e muitas ainda compram balas e doces para agradar suas crianças a cada domingo. Pior: não dispõem de um ambiente adequado ao ensino.

Pululam por toda parte as salas mofadas, mal refrigeradas, sem quadro, sem lápis de cor, sem cópias, sem projetor, sem cadeiras. Tudo isso porque encaixotamos a ideia de que não precisamos nos preocupar muito com as crianças e se estão aprendendo ou não. Basta que lhes entreguemos alguns desenhos e está resolvido.

É grave nosso desleixo com o aprendizado bíblico infantil e isso tem se refletido na fase adolescente, quando dezenas deles abandonam a Igreja. Olhemos ao nosso redor e vejamos quantos filhos jovens de pais evangélicos há desviados. Claro, que há muitos outros fatores, mas a própria Bíblia ensina: “Ensine a criança no caminho em que deve  andar, e ainda quando for velho não se desviará dele” (Provérbios 22:6).

Acrescente-se a isso que hoje, quase sempre, esse ensino se restringe a despejar regras e costumes. Ou seja, nós manietamos as pessoas, não internalizamos nelas a Palavra de Deus! Outra opção é deixar que os pais ensinem o que a Igreja deveria ensinar! E aí temos que levar em conta que muitas crianças vivem num lar em que pais e/ou mães não são evangélicas!

Parabenizamos as verdadeiras heroínas de nossas classes infantis, mas é preciso fazer um pouco mais mitigando as grandes necessidades de ontem. Sim, elas existem há muito tempo em nossas igrejas! E há as muitas professoras despreparadas, desleixadas, descompromissadas. Infelizmente, as temos também. São aquelas que não quiseram dizer um não, ao ser convidadas, que se sentem com medo de algum castigo divino, que não tem o reino como prioridade e uma série de outros fatores. O recado é curto: se você não tem interesse em fazer corretamente o trabalho, dê lugar a outra pessoa! Ao continuar aí, ao invés de ajudar, você está atrapalhando!

Em tempos de campanha política nos damos contas de quantos ataques sofre a faixa etária infantil. E isso tem uma razão de ser: distorcendo os valores nessa idade, a árvore cresce torta! Há inúmeros projetos e iniciativas governamentais para destruir a família tradicional e muitos deles foram implementados por aqueles que levaram a economia a patamares elevados, apesar da grande corrupção. Como já disse aqui, eles nos davam esmolas, desviavam nosso dinheiro e solapavam nossos valores. Nosso contraponto não é apenas político, embora se dê tanta importância às candidaturas evangélicas. Que estamos fazendo para ensinar em que caminho devem andar nossas crianças?

Pensemos com muita atenção sobre isso!

No vídeo abaixo, da Dra Damares Alves, você verá alguns desses ataques, perpetrados por vezes de forma sutil e dissimulada para não chamar a atenção.

Sobre o autor | Website

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

1 Comentário

  1. Eliezer disse:

    Muito bom.