Reflexões Daladier Lima

O que é contingência? Ela ocorre na Igreja?

De que modo a contingência pode afetar a Igreja? Entre nós vale a Lei de Murphy? Mas que lei é essa? Vem comigo!

O que é contingência? Ela ocorre na Igreja?

O conceito é bem amplo e se estende a várias áreas do saber. Mas, focando em Administração, contingência é aquela ação forçada a ser realizada já que não prevista. Aqueles erros não previstos no script de um evento, zonas de sombra que o administrador esqueceu ou não quis inspecionar, dinheiro mal investido ou gastos de última hora, erros que, de início, se revelam pontuais e depois evoluem para tornar as coisas mais complicadas.

Exemplo 1: Convidaram o preletor, pagaram a passagem, mas ninguém anotou a que horas ele chegaria ou se haveria alguém para apanhá-lo no aeroporto. Pergunta básica: A que horas o preletor chega?

Exemplo 2: Evento a céu aberto planejado durante o inverno. Período em que há chuva, alagamentos, problemas de locomoção, etc. Ninguém se perguntou: Que dificuldades teremos no período para fazer esse evento?

Exemplo 3: Evento em local distante com logística complicada.
Ninguém perguntou: Como as pessoas vão chegar?

Como ocorrem as contingências?

A gênese das contingências está no mau planejamento. Precisamos compreender que eventos bem planejados costumam avaliar os riscos e os recursos humanos e financeiros necessários à sua execução como um todo e cada atividade que o componham em particular. Aliás, esta avaliação é bíblica: “Pois qual de vós, querendo edificar uma torre, não se senta primeiro a calcular as despesas, para ver se tem com que a acabar?” (Lucas 14:28). Ou seja, queremos eliminar ou minorar os problemas causados pela contingência? Devemos investir no planejamento!

Nas igrejas a tendência é o imediatismo. Cristalizou-se a ideia de que: a) podemos dar um jeitinho nos problemas e resolvê-los de última hora; b) se planejarmos muito acabamos não fazendo; c) devemos deixar tudo nas mãos de Deus. E se algo der errado foi Ele que não quis. São premissas falsas das quais partimos. Por fim, muitos líderes acabam não assumindo suas responsabilidades e livrando-se da pecha de incompetentes.

Então, precisamos escrever o passo a passo do que precisa ser feito, pontuando o que pode dar errado ou não. A falta de um plano ou projeto escrito é responsável pela maioria das contingências. Há duas variáveis importantes aqui: 1) Escrevendo nós vamos encaixando as fases, visualizando os recursos humanos e financeiros que serão necessários, antecipando os problemas e buscando soluções; 2) Podemos compartilhar com as pessoas envolvidas, encorajando-as a apontar eventuais falhas e contribuições. Mas, atenção!, o gestor precisa ser acessível para ouvir a críticas e dar efetivo encaminhamento às sugestões.

O que observar para minorar as contingências?

As contingências tendem a ocorrer por:

  1. Centralização – o líder decide fazer tudo ao mesmo tempo e acaba não fazendo nada. Decidimos fazer um evento científico em uma de nossas igrejas. Convidamos um excelente preletor. Organizamos tudo. Porém, eu decidi que deveria ir buscá-lo no aeroporto. Um diácono até se ofereceu para ajudar neste detalhe, mas eu achava que não deveria incomodá-lo. Do aeroporto fomos para o hotel, daí para o evento, depois para o hotel, depois para o evento, às 19:00h, depois para o hotel ao final da noite. No outro dia, logo cedo, fui buscá-lo às 05:00h, pois precisava trabalhar e tinha feito esse esforço por nós. Final da história: Exaustão total!
  2. Falta de comunicação – As sugestões não são levadas em conta, não chegam pelos canais corretos, não são dadas por medo de represálias, entre outras razões. Alguém já disse que a liderança tende a mirar o objetivos enquanto enxerga a copa das árvores. Já os liderados analisam o terreno, os entraves, etc. É dessa junção de visões que depende o sucesso de um projeto ou evento! O líder verdadeiro se encarrega de traduzir as necessidades organizacionais para todos os liderados, fazendo com que todos avancem até o objetivo!
  3. Omissão – a equipe quer “queimar o filme” do líder e faz corpo mole, não ajudando em nada, abandonando-a à própria sorte. Incrivelmente, muitos fazem isso enquanto elogiam. A auto preservação faz com que ninguém mova uma palha para contrariar um líder, enquanto a organização agoniza. Esses que se omitem são os primeiros a abandonar o barco quando ele começa a fazer água!
  4. Despreparo – uma equipe fraca e sem noção dos objetivos. Muitos gestores optam pela mediocridade da equipe. Eles raciocinam que uma equipe com menor capacidade intelectual nunca ansiará por sua posição e/ou poderá ofuscar sua imagem. É um raciocínio que acaba comprometendo a qualidade dos projetos e eventos. Devemos, pelo contrário, estar cercado pelos melhores cérebros para ajudar a consecução dos objetivos eclesiásticos!
  5. Autoconfiança – É o senso de que nada dará errado. Ao contrário, de uma pequena sala de Escola Dominical a uma grande igreja tudo pode dar errado ou tudo de bom pode acontecer no decorrer de um projeto. Não se trata de ser uma pessoa negativa, mas realista. O engenheiro aeroespacial Edward Aloysius Murphy formulou a seguinte lei em 1949: Se algo pode dar errado, dará! Todos os projetos sérios do mundo levam esta lei em conta. Precisamos ligar o desconfiômetro e estar sempre atentos a coisas que podem dar errado, lembrando que muitas dessas coisas começam pequenas e evoluem a ponto de comprometer totalmente o projeto ou evento. O quanto nos antecipamos aos problemas determina o tempo gasto necessário a superá-los!

Concluindo

Apesar de ser um conceito do mundo corporativo a contingência deve ser levada em conta em nossos planos, projetos e eventos. Somos a igreja de Deus, mas composta por homens. Planejar e minorar os problemas nunca é demais. A igreja não pode fazer a opção preferencial pela mediocridade!

Sobre o autor | Website

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

1 Comentário

  1. Williane Costa disse:

    Realmente sem dúvidas a contingência é muito importante na igreja, na casa de Deus tem que ter ordem e responsabilidades.