O que te incomoda no culto: análise dos dados da enquete!

Nobres 60 leitores, fizemos há três semanas uma enquete no blog para saber o que estava incomodando os participantes dos cultos em geral. Longe de ser uma pesquisa de satisfação a ideia era levantar e confirmar algumas constatações deste missivista. Participaram 142 pessoas de diversos Estados do Brasil. As denominações também foram as mais diversas. Os resultados, para quem souber analisá-los, traz informações preocupantes. Parto do princípio que os participantes foram sinceros.

Começamos perguntando há quanto tempo os participantes frequentam as igrejas. O gráfico mostra uma geração madura (ao menos na amostra dos participantes), portanto, é gente que tem uma opinião embasada em anos de Igreja:

Gráfico 01

Tempo de participação na igreja local

Descendo à maiores detalhes iniciamos as perguntas mais objetivas. Aqui os gráficos mudaram porque criamos uma escala de intensidade. Quanto mais as pessoas estiverem incomodadas mais tenderão ao 10, que significa Muito, quanto menos incomodadas ao 1, que significa Pouco. A primeira foi: Incomoda a movimentação de pessoas?

Movimentação de pessoas no culto

Movimentação de pessoas no culto

Como podemos notar, 81 pessoas (mais da metade) responderam Muito. Esse é um problema grave, já apontado outras vezes aqui no blog. É insuportável a movimentação de pessoas no culto, não há discrição na chegada, as pessoas passam em frente ao pregador, um vai buscar água, outro busca água para outra pessoa. Este mal agora contaminou alguns púlpitos onde o dirigente parece não ter sossego, desce, sobe, chama alguém, atende ao telefone. Simplesmente, um caos!

A próxima pergunta foi: O que te incomoda é a falta de estrutura?

Falta de estrutura

Falta de estrutura

Note que as respostas apontam que a maioria não está muito preocupada com ar condicionado, por exemplo, bancos mais confortáveis ou um bom estacionamento. Ninguém chegou ao nível 10 de Muito insatisfeito. Mesmo as trancos e barrancos a estrutura de nossas igrejas parece agradar à maioria.

Indo adiante perguntamos: O que lhe incomoda é a altura do som?

Gráfico 04

Gráfico 04

Novamente não parece ser um assunto muito incômodo para a maioria. Mas note como o gráfico se desloca para a direita, indicando um tendência. De fato, temos que repensar a altura do som em nossas igrejas, especialmente, no que diz respeito a bebês e crianças em geral. Além de pessoas idosas.

A próxima pergunta foi: O que lhe incomoda é a altura dos instrumentos?

Gráfico 05

Gráfico 05

O resultado não surpreende. Na maioria das igrejas os conjuntos tocam alguns decibéis acima do razoável. Quem nunca viu um baterista que deseja ensurdecer a audiência. O ideal é que os templos possuíssem um decibelímetro para sinalizar a altura.

Nossa próxima pergunta foi: O que lhe incomoda é a grande quantidade de orgãos de louvor?

Gráfico 06

Gráfico 06

O canta canta parece não incomodar a maioria.

Nossa próxima questão é: O que lhe incomoda é o assunto dos hinos desconectados da natureza do culto?

Gráfico 07

Gráfico 07

Aqui os dados começam a ficar interessantes. Boa parte dos participantes compreende que a liturgia não prescinde da ordem. Apesar daquele culto mais solto e participativo é imperioso que os maestros e dirigentes estejam atentos à natureza do culto, para então escolher hinos adequados.

Na próxima questão perguntei: O que lhe incomoda é o espaço para a pregação no culto?

Gráfico 08

Gráfico 08

A maioria esmagadora compreende que há pouco espaço para a pregação no culto. É um assunto crítico porque a maioria dos irmãos vão somente nos domingos à igreja. Temos, portanto, uma única oportunidade de recarregar as forças, ouvindo a Palavra de Deus. Se for perdida…

Constatação semelhante tivemos quando perguntamos: O que lhe incomoda é a ausência de tema e tópicos na pregação?

Gráfico 09

Gráfico 09

Resumindo: Nosso povo quer Bíblia!

A penúltima pergunta tem a ver com uma prática que anda em voga em nossos cultos, o uso do chavão. Perguntamos: O que lhe incomoda é o uso de chavões (toque no irmão ao lado, sugestionamento psicológico)?

Gráfico 10

Gráfico 10

A maioria esmagadora está incomodada com esse comportamento. Gostaria muito que aqueles que decidem em nossas igrejas olhassem, bem de perto, para esse número.

Por fim, perguntamos: O que lhe incomoda é a hora em que o culto, geralmente, termina?

Gráfico 12

Gráfico 12

O gráfico mostra outra curiosidade: a maioria não está muito incomodada com isso.

Conclusão

É óbvio o desconforto com os chavões, a ausência de tempo para a Palavra de Deus e uma pregação bem estruturada. Já é sensível entre nós o surgimento de uma geração que estuda, pesquisa, se informa. Isto será um problema para muitos líderes. Pois pouco a pouco sua indolência com os temas apresentados acima trarão tensões e choques.

É hora de arregaçar as mangas…

Sobre o autor | Website

Insira seu e-mail aqui e receba as atualizações do blog assim que lançadas!

100% livre de spam.

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

5 Comentários

  1. Dilson Souza disse:

    Qual o plano para solucionarmos essas questões negativas? Será que é do interesse de a quem de fato possa interessar?

  2. Daladier Lima disse:

    Prezado Nilson Souza,

    Hoje eu sou pessimista sobre soluções a curto prazo, especialmente, as que possam ocorrer de forma generalizada. Um ou outro pastor consciente, porém, pode tentar. Mas as as engrenagens do sistema são muito poderosas.

    Abração!

  3. Miqueas Cipriano disse:

    “Gostei” da maioria dos resultados, ou seja, tudo dentro do que já se é rotina, por outro lado, me espantei com alguns como, a grande maioria não se importar com o “canta canta” uma vez que, tais comportamentos interferem no tempo disponibilizado para a pregação, mas, não podemos ignorar que, a técnica do “canta canta” pode ser um álibi que mascara a real situação do pregador que não tem o que pregar. Quem me dera levar uma cópia dessa pesquisa e entregar aos líderes das nossas igrejas, não sei se adiantaria alguma coisa. Penso que a mudança deve acontecer na esfera individual, cada um tenta oferecer para Deus o que tem de melhor, oferecendo aos filhos DEle o pão e não as migalhas que caem na mesa aos 10 minutos para as 21:00 horas. Se tais resultados da pesquisa encontrarem abrigo nos corações dos leitores que por aqui passam, a semente germinará e crescerá. Parabéns Pastor por se preocupar com a saúde da igreja.

  4. Edinaldo Bernardino disse:

    Não lembro se participei da enquete, com o senhor disse, o interesse se deu por pessoas já maduras nas igrejas, que tem acompanhado o desenrolar da coisa. Também não penso que isso vá mudar do dia pra noite, mas se os líderes do nosso tempo, atentarem para essa avalanche os apanhar em pouco tempo, começaremos a ver alguma mudança. Não lidero igreja nem órgãos, mas com muita humildade, tenho feito minha parte.

  5. Parabéns pelo trabalho! Muito útil para analisarmos o que precisa ser melhorado em nossos cultos.
    Pena que muitos líderes já sabem disso, mas nada fazem para mudar esse cenário.