Para de fotobombar Jesus!

Pregadores quererem roubar a glória de Jesus é mais comum do que imaginamos. O termo fotobombar (que não existe em português) define bem esse problema!

Não muito depois da minha conversão, eu estava no palco. Um testemunho intrigante e aparente presente abriu as portas para eu falar em igrejas e em campi universitários. Apesar do feedback encorajador, eu sabia que precisava aprender a Bíblia. Então me mudei para Denton, Texas, para estudar com o pastor Tom Nelson.

Nós fomos cobrados para encontrar uma área de atuação, então eu pulei para o ministério da faculdade, assumindo que eu poderia ajudar a liderar o caminho.

Deus tinha outros planos.

O palco

John Bryson liderou o ministério universitário durante esses anos. Ele esteve com rapazes suficientes para saber que eu precisava aprender uma lição.

Antes da primeira reunião do ano, John disse que tinha uma importante oportunidade para mim. Presumi que ele queria que eu compartilhasse meu testemunho ou pregasse, então apareci pronto. Em vez de me levar ao palco, ele me levou para os bastidores. Ele apontou para uma corda. Eu estaria servindo aqueles no palco, abrindo e fechando a cortina.

Com cada puxão da corda, minha frustração aumentava. Minhas mãos queimavam e meu coração criticava os alto-falantes – Se eu estivesse lá fora, Deus me usaria poderosamente . Eu nunca ouvi a voz audível de Deus, mas naquela noite tive essa impressão distinta: “Se você não pode ser tão alegre aqui atrás, onde ninguém pode vê-lo como você estaria lá fora, onde todos podem ver você, então você está buscando a sua glória, não a minha”.

Photobombing Jesus 

E então me ocorreu: eu servi a Deus com motivos mistos. Eu esperava que pessoas perdidas fossem salvas – mas eu queria ser o evangelista que Deus usou. Eu desejava que os cristãos fossem encorajados – mas eu queria ser o instrumento da edificação. Eu queria que as pessoas pensassem que Deus era incrível – e que eu também era.

É aqui onde as coisas complicam. O desejo de Deus ser glorificado através de mim é o auge do meu propósito criado. Mas há uma linha tênue entre querer que Deus o use para a glória dele e que todos saibam disso. É a linha tênue entre adoração pura e idolatria.

Há uma linha tênue entre querer que Deus o use para a glória dele e que todos saibam disso.

Não é errado desejar fazer parte do que Deus está fazendo – você foi criado para esse propósito (Ef 2:10). Não é errado querer que as pessoas vejam Deus glorificado em sua vida (Mt 5:16). Não é errado servir com a esperança de que as pessoas sejam convencidas do pecado e da confiança em Cristo (I Pe 2:12).

De fato, eu diria que é pecado se você não desejar essas coisas. Mas devemos dar atenção cuidadosa aos nossos corações para que não procuremos roubar a glória de Jesus.

Confissões de um ladrão de glória 

Aqui estão seis confissões de um ladrão de glória.

1. Eu quero glorificar a Jesus, mas também quero glória. 

Deixei os maravilhosos cultos dominicais desanimado porque no fundo eu queria que alguém me dissesse: “Esse foi o sermão mais surpreendente que já ouvi”. Posso desejar que Jesus seja exaltado, enquanto deseja ardentemente a afirmação dos outros. Servos úteis ficam satisfeitos quando ninguém os aplaude, desde que todos aplaudam a Jesus. Mas um servo que busca afirmação rouba a glória de Jesus. Como um amigo me disse certa vez: “Um pastor que prega para ganhar glória para si mesmo está flertando com a noiva de Cristo, por quem ele morreu”.

Servos úteis ficam satisfeitos quando ninguém os aplaude, contanto que todos aplaudam a Jesus.

Quando você sente o desejo de afirmação? Como você responde?Lightstock

2. Porque eu quero afirmação, eu escondo meus pecados.

A vergonha é poderosa. Isso nos convence de que não podemos ser honestos sobre nossa verdadeira condição e, portanto, nos tenta a fingir. Quando escondemos o pecado, mostramos que valorizamos mais as opiniões das pessoas do que agradar a Cristo.

No entanto, quando confessamos nossos pecados a outro cristão confiável, Deus começa a crucificar nosso ladrão de glória. Uma humildade única é gerada quando você olha nos olhos de outra pessoa e confessa como pecou contra Deus e os outros. O ídolo da afirmação é esmagado e Deus é visto como glorioso apesar de você.

3. Eu me tornei amargo quando Deus usa os outros em vez de mim. 

Durante meu primeiro ano no seminário, aprendi sobre a semana sênior de pregação. Os “melhores” pregadores da turma de formandos foram escolhidos para pregar na capela. Eu queria estar tanto entre esse grupo que orei e jejuei por isso. Eu não fui selecionado. Ao ouvir esses irmãos pregarem fielmente, reclamei que Deus não havia me usado enquanto os usava – e eu sabia que estava errado.

Você está frustrado ou desanimado quando Deus “ignora” você? Esses são bons momentos para reavaliar por que você segue a Jesus.

4. Eu me torno mais preocupado com minha performance pública do que com minha devoção pessoal.

Muitas vezes não oramos porque outras coisas parecem mais urgentes. Oportunidades para o ministério público rivalizam com a devoção ao Deus que nos confiou essas oportunidades em primeiro lugar. Ladrões de glória sentem-se apressados ​​para fora do armário de oração porque nós valorizamos estar diante dos homens mais do que diante de Deus.

Ladrões de glória sentem-se apressados ​​para fora do armário de oração porque nós valorizamos estar diante dos homens mais do que diante de Deus

Não estou dizendo que o ministério público não é reverente. Muitas vezes sinto a presença de Deus agudamente enquanto prego ou evangelizo. Ainda assim, posso ser tentado a negligenciar as disciplinas de oração, jejum e leitura da Bíblia sem distração porque outras coisas atraem e me pressionam.

5. Temo a falha moral pelas razões erradas.

Quando um cristão cai publicamente, ele distorce a visão das pessoas sobre Deus (Pv 25:26; Rm 2:24). Essa perspectiva aflige qualquer pessoa que se importe com a reputação de Jesus no mundo.

Cuidar do que as pessoas pensam sobre nós não é inerentemente errado. Mas o orgulho pode nos levar a esconder o pecado, e o orgulho precede a ruína (Pv 16:18). Como J.C. Ryle observou certa vez: “Os homens caem em privado muito antes de cair em público”.

6. Meu desejo de ser algo rivaliza com meu desejo de que Jesus seja tudo.

Quando eu estava nos bastidores anos atrás, senti desejos competitivos em meu coração. Eu não estava contente só para que Jesus fosse lembrado. Eu queria que as pessoas lembrassem de mim também.

João Batista nunca teria fotobombado Jesus. Multidões se reuniram para João, mas ele tinha uma missão – tornar Jesus conhecido. “Eu não sou o Cristo”, declarou ele. “Ele deve aumentar, mas devo diminuir” (Jo 3:28-30).

João estava contente em servir fora do palco para que Jesus pudesse ser visto com mais clareza.

Você pode se contentar com Jesus sendo glorificado, mesmo que isso signifique que ninguém nunca saberá o seu nome? Você está feliz por estar entre os “outros” em Hebreus e não entre os heróis da fé?

Jesus veio para salvar os ladrões de glória de si mesmos. De fato, ele abandonou sua própria glória e morreu por todas as vezes que roubamos a glória de Deus. Só ele é digno de louvor.

Garrett Kell (ThM, Dallas Theological Seminary) é pastor da Del Ray Baptist Church em Alexandria, Virginia, e membro do conselho da The Gospel Coalition. Ele e sua esposa, Carrie, tem cinco filhos.

Photobomb – Aparecer por traz ou à frente de alguém que está fazendo uma foto de si mesmo, usualmente fazendo algo bobo como um gesto obsceno ou não; eclipsar a foto de outro de forma intencional ou não.

Pescado e traduzido do TGC

Sobre o autor | Website

Insira seu e-mail aqui e receba as atualizações do blog assim que lançadas!

100% livre de spam.

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

Seja o primeiro a comentar!