Família Reflexões Daladier Lima

Quando o casamento termina: o amor não existia? E, se existia, acabou?

Muitos casamentos chegaram ao seu final, levantando algumas questões intrigantes ao longo da história da humanidade. O amor não existia? E, se existia, acabou? O que foi vivido não foi real? A dor venceu o amor? O casamento que chegou ao seu final não teve a bênção de Deus? Outras questões são levantas no dia a dia, mostrando-nos que um relacionamento pode ir do doce ao amargo num espaço de tempo que nos assusta.

Há também aqueles relacionamentos, que não oficializaram o seu final, continuando, entretanto, numa vida sem amor, sem carinho e, sem respeito um pelo outro. Por consequência, os anos se passam sem comemorações. Comemorar o que? Os anos que se vão atestam uma obrigação sem alegria e, uma frustração sem perspectivas.

Por mais que as situações supracitadas possam identificar-se com milhares de pessoas, sempre haverá a possibilidade de uma retomada. Mudanças poderão acontecer e, mesmo sendo possíveis, nem sempre ocorrem. Nem todos acreditam. Nem todos buscam esta retomada. A decisão de não mais querer o relacionamento não é garantia de felicidade. Mas, o novo começo dará esta garantia? Ficaremos a mercê de estatísticas?

Podemos encontrar pessoas que foram feridas no relacionamento conjugal nos quatro cantos da terra. Cada um poderá justificar sua decisão de separar-se, de não mais querer o relacionamento fracassado, por mais que tenha sido bom no princípio. Não se trata apenas de haver uma pessoa certa e outra errada. Encontramos duas pessoas atingidas por este final.

Por mais que uma retomada seja desacreditada por alguns, torna-se expressão de vitória na vida de outros. Cada um reage de um jeito. A superação nos amadurece mediante as situações mais difíceis. Podemos achar a reconciliação difícil, ou, até mesmo impossível. Ao invés de identificarmos ofensor e ofendido, devemos identificar duas vítimas de um relacionamento que fracassou. Será que nada poderá ser feito? Como as iniciativas poderão ser tomadas?

Como é bom sabermos que uma retomada no casamento pode mudar a vida de tantas pessoas! Quando há esta decisão de vencer todos os obstáculos possíveis numa empreitada “impossível”, a retomada ganha um sabor especial.

O casamento destruído pode ser restaurado e o amor perdido pode ser reencontrado! Sim, podemos amar outra vez a pessoa com quem decidimos dividir a vida! Amar, não somente determina emoções. Implica em volição, em decisões e escolhas determinantes. Enganamo-nos por pensar que esses movimentos todos serão algo sem graça e sem sabor. Não sabemos tudo a nosso respeito e nem mesmo sobre a pessoa que julgamos conhecer. Emoções virão à flor da pele, fazendo o nosso coração pulsar de uma forma que nunca pulsou no relacionamento passado. Tudo pode ser novo e, com a mesma pessoa! E, neste turbilhão de emoções, aprendemos que a beleza do amor transcende as mesmas, mostrando-nos que em alguns momentos, a razão e a emoção devem ser colocadas de lado.

As razões para desistirmos e, as emoções legítimas no meio da dor, darão lugar ao amor, o qual nos proporcionará novos começos. Depois, ao invés de explicarmos a vitória, celebraremos a felicidade, muito além da razão e, muito além das emoções.

Rinaldo Berbert é casado com Priscilla e pai de três filhos, Yan Lucca, Bárbara e, Nicolas. É especialista em teologia sistemática pelo Centro Presbiteriano de Pós-Graduação Andrew Jumper e pastoreia a Sétima Igreja Presbiteriana, em Cachoeiro de Itapemirim, ES. Autor de Amar Outra Vez.

Pescado em Ultimato

Sobre o autor | Website

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

3 Comentários

  1. Olá, Daladier.

    Creio que os casais que desejam terminar a relação matrimonial, têm esta intenção porque se casaram movido por paixão, que é um sentimento forte, porém, não duradouro. A situação é um grande problema, pois o sentimento vai embora, mas as assinaturas no cartório continuam valendo.

    Conheço pessoas que se casaram, passaram por um conflito conjugal e divorciaram-se, porém, tempos depois se arrependeram por querer a separação e efetuar a separação. Algumas conseguiram retomar o matrimônio, outras pessoas não… Aquelas que fizeram a reconciliação, eram pessoas que se casaram e se divorciaram antes da conversão a Cristo.

    Abraço.

  2. Emília Asevedo disse:

    Excelente reflexão, Concordo plenamente que em um relacionamento fracassado, encontramos “duas vítimas”, muitas vezes, casaram muito jovens, e não tiveram aconselhamento, apoio, e nem algum bom casal ou casamento para se espelhar, tiveram que errar, sofrer! amadurecer, sofrer! orar, crescer e ter muita força de vontade para continuar juntos e para sobreviver as crises. Deveriam as igrejas, os pastores, abrirem os olhos, para dá apoio, acompanhar e aconselhar melhor e mais de perto, esses casais ou os casais de sua congregação, pois a família estando com saúde, a igreja estará com saúde!!!!!!

  3. Rebeca disse:

    Paz de Cristo meu pastor!

    Acredito muito na reconciliação, já vi casais passarem por crises e fazes ruins no relacionamento, que nao amava mais, falta de dinheito e tudo mais, e muitas por traição que é bem difícil de perdoar, e de “coração” se nao for de coração ninguém consegue conviver e viver como se nada tivesse acontecido. Graças a Deus tenho visto de perto que Deus restaura casamentos e família desestruturadas.
    E acredito que essa mudança começa muitas vezes pela ação da mulher, querendo ou não somos mais espirituais, sentimentais e aderimos melhor o valores das coisas da vida.
    Somos a coluna em buscar mais a Deus, somos mais pacientes em esperar as coisas acontecerem na vontande de Deus. Eu sou nova pra falar a respeito de casamento, estou em bodas de papel ainda,rsrsrrss. Mas peço muito a bênção e a graça de Deus pra que eu não viva isso no meu casamento. Que Deus abençoe o Sr que tem sido explempo de um homem de Deus para nós.

    Paz