Suicídio entre os jovens: por que devemos nos preocupar?

Por que as igrejas devem discutir um tema tão polêmico e complexo como o suicídio? Você sabia que é a quarta causa de morte entre jovens de 15 a 29 anos no Brasil?

Prezados 300 leitores, reportagem do portal UOL relata que jovens de 15 a 29 anos estão se matando cada vez mais. O assunto é delicado e exige uma postura firme da Igreja. Vamos pinçar algumas colocações da reportagem, ipsi literis, e fazer os contrapontos e links com a nossa realidade.

Segundo o Mapa da Violência divulgado em abril, entre 1980 e 2014, houve um aumento de 27,2% no número de suicídios dessa faixa etária. E chegando ao final de 2017, ano em que passamos pela Baleia Azul e séries como “13 Reasons To Why”, que trouxeram à tona o tema na esfera adolescente, a questão que fica é: por que pessoas que estão começando a vida querem acabar com ela?

Como o assunto é vergonhoso para a família e sempre sobram mais perguntas do que respostas, muitos casos são subnotificados. Obviamente, os especialistas estão atônitos e preocupados, tentando compreender o que acontece. A reportagem aponta a tecnologia e as relações familiares frágeis, como causa principal. É consenso entre os especialistas. O filósofo e sociólogo polonês Zygmunt Baumer, que faleceu em janeiro deste ano, já anunciava: “vivemos em tempos líquidos. Nada foi feito para durar”.

A terapeuta ocupacional e pós-doutora em saúde coletiva Fernanda Marquetti acredita que o suicídio é um produto do que acontece socialmente dentro de uma cultura. Se estamos tão tecnológicos, pode estar aí a resposta das mortes. “Claro que esses jovens não estão se matando porque todos começaram a ter transtornos psiquiátricos. O mundo caminha para um esvaziamento cada vez mais profundo das relações, os adolescentes não conseguem se relacionar fora do mundo digital. As tentativas e os suicídios aparecem como expressões máximas dessa dificuldade”, fala a professora da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo).

A Bíblia reafirma ao longo de suas páginas a família como esteio da sociedade. Mas o que acontece hoje? Desrespeito aos pais, filhos independentes, distrofia funcional, ausência de referenciais e de laços afetivos. O resultado não é outro, senão o completo desnorteamento dos nossos jovens, numa fase de definições e indefinições. A TV passou anos mercadejando uma família totalmente diferente da tradicional e agora é preciso lidar com o resultado desse comportamento. Novelas, por exemplo, buscavam e buscam moldar o pensamento coletivo, elevando traços negativos do caráter de seus atores e, infelizmente, a vida imitou a arte da pior maneira possível.

Se essa geração nasceu com a tecnologia e o contato é inevitável, precisamos de educação para lidar da melhor forma com ela. “Estudos mostram que a busca pelo like é tão viciante como droga, principalmente para o cérebro em formação, como é o caso do jovem até os 21 anos. E eles são menos capazes de racionalizar. Não é que todos sejam inconsequentes, mas há uma impulsividade maior”, afirma psicoterapeuta Karen Scavancini, autora do livro “E Agora? Um Livro para Crianças Lidando com o Luto por Suicídio” (AllPrint Editora).

Outros fatores apontados pela reportagem é o sentimento de pertencimento e o cyberbulling. O primeiro exige que o adolescente esteja antenado com as redes sociais e a tecnologia em geral. O segundo amplia humilhações que antes se restringiam ao pequeno ambiente escolar. Agora não há limites para a amplitude de um apelido ou situação vexatória.

A tendência entre jovens americanos de postar e compartilhar nas redes sociais mensagens abusivas sobre si mesmo de forma anônima já é preocupação para os especialistas no Brasil. Em um estudo recente com mais de 5 mil estudantes nos Estados Unidos, com idades de 12 a 17 anos, um em cada 20 revelou ter praticado a automutilação digital.

“Eles não encontram o próprio lugar, precisam lidar com pressões sociais, rankings escolares….. E o jovem não questiona o que vê nas redes sociais. Quanto mais horas ele passa ali, vendo vidas perfeitas, maior o a chance de depressão e suicídio. Fora a falta de interação, exercício físico, programas em família”, fala Karen.

O apego às redes sociais traz outro problema: a ausência de diálogo entre as famílias. Já não se conversa à mesa, por exemplo. Estamos imersos na navegação e verificação de mensagens, muitas das quais dispensáveis. Em muitas igrejas seus jovens, apesar de imersos nas tecnologias disponíveis, jamais foram ensinados sobre seus riscos.

Uma nota paralela vai aqui para o neoconversos à tecnologia. Aquela geração que por décadas esteve excluída, seja pela dificuldade de aquisição tecnológica ou por endossar outros valores. Não é incomum, agora, perfis sociais de quarentões. Alguns dos quais, pasmem!, estão em busca de relacionamentos nas grandes redes sociais do segmento. Ela também corre grandes riscos.

A liderança eclesiástica pode pensar que é algo casual, mas eu lembraria que o Facebook foi lançado em 2003! E desse então só cresce. Possui neste dezembro de 2017, nada menos que 102 milhões de usuários. Noventa e três milhões deles acessam a rede social por algum dispositivo móvel. O Instagram tem seus 50 milhões. Então, a tendência são as redes se adensarem entre nossos membros. O que certamente haverá é a maneira cada vez mais imersiva com que iremos interagir com ela.

Precisamos discutir o tema, aliás, os temas, são tantos não é? Não nos assustemos, fomos chamados para ser sal e luz, mas o mestre não disse em que contexto. São duas coisas tão imperceptíveis e disseminadas que não há como limitar seu espectro. Só não podemos fazer essa discussão sob certos vieses que por vezes mais atrapalham do que ajudam. Ainda é recorrente a resistência em convidar especialistas no assunto para exposições nas igrejas, por exemplo. Via de regra, um pastor mais interessado pesquisa e expõe para a plateia, quando o ideal seria ouvir um especialista em saúde (e os há em nossas igrejas, basta procurar) e fazer os links com a Palavra de Deus.

Segundo a OMS 90% dos casos de suicídio seriam evitáveis. Como? Através do diálogo, da compreensão de que somos fracos. A Bíblia nunca omitiu que o poderoso Elias desejou morrer, por exemplo, mas se o profeta fosse um pastor que confessasse à sua congregação não ter aguentado a pressão do chamado, seria abandonado!

Por fim, a reportagem dá uma notícia alvissareira e que merece nossos aplausos, especialmente, por ser encabeçada por um evangélico, o senador Magno Malta. Creio que igrejas sérias deveriam se envolver na distribuição de tais livretos:

A CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) dos Maus-Tratos em Crianças e Adolescentes do Senado apresentou na última quarta-feira (13), três cartilhas de prevenção contra o suicídio, a automutilação, o bullying e o cyberbullying. O objetivo é orientar pais, responsáveis e professores. As cartilhas serão distribuídas nacionalmente e estarão disponíveis online.

O senador Magno Malta (PR-ES), presidente da comissão, disse que a estrutura do projeto foi pensada para ser clara e acessível e, por isso, está apresentada no formato de perguntas e respostas. “O suicídio é a terceira maior causa de mortes entre crianças e adolescentes no país”, disse Malta.

Um outro papel fundamental da Igreja é apoiar os familiares do suicida. Mormente as pessoas se afastam da família ou a criticam tentando identificar as causas entre seus membros. Foi falta de atenção da mãe? Foi o pai violento? Enfim, são testadas várias hipóteses enquanto as famílias sofrem. Não podemos colocar mais uma carga além da perda de um ente querido, sobre eles.

Reportagem do UOL aqui

Sobre o autor | Website

Insira seu e-mail aqui e receba as atualizações do blog assim que lançadas!

100% livre de spam.

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

4 Comentários

  1. FELIPE ANDRE FERREIRA SILVA disse:

    Nobre Pastor, graça e paz!
    Sou psicopedagogo de formação, confesso, hoje esta difícil entender os jovens e adolescentes, os problemas se tornaram multiformes, apos o advento da tecnologia ficamos fissurados online, passamos de seres viventes a meros ser vivos. Esquecemos de amar-mos uns aos outros, queremos apenas e tao somente atenção de todos, e quando esta não vem nos insolamos, deixamos DEUS, por deuses. Enfim, não mais ensinamos as crianças o caminho que devem andar,
    e parece-me que nem nós mesmos queremos mais andar nele! Precisamos Urgentemente Morrer novamente para CRISTO, antes que
    nossas CRIANÇAS cometam o ato vil, de não mais AMAR a vida e especialmente a JESUS autor e consumador da nossa fé. REAL motivo de nossa existência.
    Sola Gratia.
    Felipe Andre seu conservo.

  2. Daladier Lima disse:

    Palavras exatas, meu nobre Felipe!

  3. Williane Costa disse:

    Excelente.
    Tá muito difícil hoje em dia entender o mundinho fechado de muitos adolescentes e jovens.
    Os pais devem sempre está de olho em seus filhos. Não devem se acomodar.
    Mas a igreja precisa sim apoiar os pais e fazer o que puder para ajudá-los.

  4. Agenilson Mota disse:

    O suicídio é uma coisa que envolve a enfermidade da alma com o lado espiritual das trevas. É preciso tratamento de ambos os lados, para que venha a cura na alma…