Reflexões Daladier Lima

Você conhece o termo “vaquinha de presépio”?

Reflita comigo sobre as vaquinhas de presépio. Aquelas pessoas que nem influem, nem contribuem, mas também não se opõem. Não tem opinião formada e jamais contradizem seus superiores.

Você conhece o termo “vaquinha de presépio”?

Vaquinha de presépio é uma expressão popular para designar as pessoas que estão sempre dispostas a assentir e/ou concordar com outrem, especialmente um superior hierárquico, sem qualquer questionamento. Como o bovino dos presépios, tais pessoas sempre se postam com a mesma feição, não importa se o interlocutor está criticando, adulando ou elogiando a alguém ou ele mesmo. Não é raro a vaquinha de presépio pedir a palavra e endossar as colocações que estão sendo ditas somente para satisfazer o superior, ainda que não tenham nenhum domínio do assunto a ser abordado.

Aqueles que se colocam nas organizações como vaquinhas de presépio são sempre bem vindos. Entre as várias razões para isso a principal é que passa a impressão que está tudo indo bem, tudo normalizado, sem alterações. Em muitos lugares se fabricam tais vaquinhas em série, somente para lustrar reuniões e compor colegiados. Vaquinhas de presépio tendem a subir na hierarquia das organizações e até ganhar muito dinheiro, na surdina, servindo aos interesses do grupo que defende. Como vivem nas sombras, geram pouco ou nenhum atrito e conseguem sobreviver por décadas sem que ninguém se incomode com sua presença.

Outra razão pela qual as vaquinhas de presépio são bem vindas é que não tem opinião formada sobre quase nada, quase não pensam por si sós. São capazes de concordar até com injeção na testa! Se é pelo bem da organização… Se anulam, não opinam, não se posicionam, e assim são tidas como leais e fieis escudeiras. As palavras mais ouvidas da parte delas são: “Sim!”, “Isso mesmo!”, “Por mim tudo bem”, “Se é o senhor que diz eu concordo!”. Via de regra as vaquinhas são também bajuladoras, faz parte da composição estética…

Há alguns problemas com as vaquinhas de presépio:

  1. O primeiro é que a organização pode estar no rumo errado como estiver e elas nada dirão. Muitas são capazes de afundar num navio sem dar um pio. Só mugem nas últimas;
  2. O segundo problema é quando percebem que ela é descartável. Quando terminam as comemorações natalinas, por exemplo, ela é engavetada e só reaparece ao final do outro ano. no próximo Natal… neste caso fazem ar de desentendidas, fincam as patas, esbravejam, mas já era. Vão pra caixa ou pro lixo;
  3. O terceiro problema é com o pescoço. De tanto flexionar na mesma direção acaba com problemas quando precisam olhar dos lados;
  4. O quarto problema é que as vaquinhas tendem a amortecer o impacto de decisões superiores equivocadas ou justificar proposituras tão absurdas que acabam se criando traumas profundos. Algumas não aguentam a pressão e abandonam o posto. Pronto, perderam tudo que tinham…

Ser vaquinha é uma questão de opção pessoal. Do contrário, temos que abrir mão da autopreservação, de ter paz e estar alheios aos problemas que nos cercam. A grande questão é que nenhuma vaquinha consegue nada significativo para a coletividade, não transformam o mundo, não influem na História! São tão somente vaquinhas de presépio!

Sobre o autor | Website

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

6 Comentários

  1. Eliezer Souza disse:

    EXCELENTE…MAIS UMA MUITO BOA!

  2. Roberto Rocha disse:

    Deladier, ri, ri demais com essa sua nova postagem! É que nossas igrejas tão cheias dessas vaquinhas,que as vezes penso que estamos sempre no natal,com tantas vacas! E os líderes amam essas vaquinhas(que balançam a cabecinha,positivamente, para tudo! ), e ficam furiosos quando alguém grita: O Rei está nu! Creio que conheces esta estória.

  3. Miqueas Cipriano disse:

    Excelente post, parabéns!

  4. Roberto Rocha disse:

    Não estamos no natal,mas achei esse post das vaquinhas tão atual,que compartilhei para os amigos! KKKKKKKKKKKKK!!!!!!!!!!!!!!!!

  5. Williane Costa disse:

    Que situação viu.
    O que mais vemos é vaquinhas, infelizmente.
    Muitas coisas que estão acontecendo em nosso meio, no ministério, elas são culpadas, as vaquinhas;
    Que ficam caladas vendo as coisas erradas acontecendo, com suas atitudes de tolo.

  6. Paulo Henrique da Silva disse:

    Eu diria que no mundo profissional isso não dá muito certo, se opor ao seu superior, o emprego fica em xeque, porém na área religiosa ou na sociedade ou política quem não tem opinião formada, é “vaquinha de presépio”, lembrando que quem peça não é só quem prática é quem vê e não faz nada para para corrigir ou para evitar…